sábado, dezembro 30, 2006

Coisas que a gente escuta em Martinópolis

- Não foi?, perguntou o bigodudo para o carteiro. Sem resposta, insistiu.
- Não foi que mataram Jesus na cruz?
- Fooooooi, respondeu o carteiro, que seguiu em frente.
- E sem ele merecer!, arrematou o bigodudo, que continuou seu caminho já falando sozinho.

sexta-feira, dezembro 29, 2006

Fim de ano

Por que se diz "virada de ano" quando vamos passar de 2006 para 2007, por exemplo?
O que é que tá virando? Não é uma coisa linear ir dum ano para o outro?
Ou a tal virada simboliza a mudança que cada um promete realizar quando um novo ano chega?
Ou se trata da volta que o calendário dá, quando viramos a folha de dezembro de 2006 para dar lugar à de janeiro de 2007?
Deve ser por aí... Como se o ano velho fosse uma página já lida e o ano novo a inédita em frente.
Que nossos livros sejam maiores e mais bacanas que as Barças de todos os anos alinhadas!

Boa leitura.

quarta-feira, dezembro 27, 2006

Férias frustradas...

Não sou um cara que viaja muito. Gostaria, até, mas, como não tenho o costume, nem sei pra onde ir. Também falta dinheiro. Nunca andei de avião, nunca fui pro nordeste, esses lugares badalados. O caminho mais comum é voltar de São Paulo para a casa dos meus pais. Nem pra praia vou, já que não tenho carro e mal sei dirigir.

Assim, o esquema é aproveitar com os poucos recursos. Vamos ver se nessas férias faço isso, ao invés de vê-la passar sem ter honrado o prazer que a falta de trabalho nos dá.

terça-feira, dezembro 26, 2006

Volver e Infiltrados

Vocês assistiram?
Vi primeiro Volver. Uma semana depois, Infiltrados. Gostei - bastante - de ambos.
Volver só tem mulher e um homem que é o mote da história. Infiltrados só tem homem e uma mulher que é a solução da trama.
Volver é a tragédia e comédia duma família. Infiltrados é um caso de amor e ódio entre a máfia irlandesa e a polícia.
Volver tem a Penélope Cruz. Infiltrados não tem decote parecido.
Os dois têm diretores famosos. Filmes decentes, depois dos caras terem feito duas quase-porcarias.
O final de Volver amarra com o começo. O de Infiltrados também.
Volver só tem morenas. Infiltrados é empestiado de loiros e loira.
Volver é engraçado. Infiltrados também.
Volver é em Madri. Infiltrados em Boston.
Volver tem boas músicas. Infiltrados uma trilha f*dida!
E mortos. Ambos têm coisas com a morte.

Vá ver também "O Ano em que meus pais saíram de férias". Mui legal! Esse tem a seleção brasileira, coisa que nem Volver, nem Infiltrados, nem 2006 conseguiram ter.

Passa passa natalino...

Hohoho!
O Natal passou, a pança aumentou e é nóis na fita!
Papai Noel trupicou, caiu da chaminé, rasgou a perna esquerda e sangrou até a morte.
Mas, era noite de Natal, noite do menino Jisuis. Um milagre aconteceu e tudo voltou ao normal: afinal, para sempre vivem os seres imaginários.

Amém,
amém.

quinta-feira, dezembro 21, 2006

Gente quieta

Gosto de gente quieta. Os que falam pouco e observam bastante. Os que se contentam com um cantinho aconchegante. Pra que mais, mais pra quê?

Hoje vai chover. Deixa a chuva cair.

quarta-feira, dezembro 20, 2006

Porcaria

É perseguição, só pode. Todos os dias encontro pela rua alguém vestido com a camiseta do São Paulo!

Que vão a m*** todos estes ganhadores de títulos!

quinta-feira, dezembro 14, 2006

Férias, eu gosto!

E quem não gosta? Fim de ano tá chegando e aqui no tramps vamos ter férias coletivas. Vou voltar pro meu sertão, ver a família, os parentes e amigos.

De Natal só quero um tênis novo, pois meus preferidos tão furados de tanto usar. De promessa para 2007, não fiz nenhuma; mas planos tenho alguns - que vão dar certo, de Deus quiser. Se Ele não "querer", fazer o quê, vamos tocando e tentando ser gente, enquanto elaboramos um plano B.

Férias vai ter muito descanso, AABB, tereré na casa dos Saques, futebol, churrasqueira, comida de casa, máquina de lavar e muito mais... Viagem não vai ter, preciso guardar dinheiro. Festinha vez ou outra, porque tô pra lá de sossegado. Briga e confusão, sai pra lá, pois não sou disso, ainda mais em fim de ano.

Bom seria se Martinópolis fosse à beira mar, e não na fronteira do Mato Grosso. Como não é, a gente se vira.

Ah, férias também vai ter muito desenho... Deles dependem, em parte, os planos de 2007.

terça-feira, dezembro 05, 2006

Presente de aniversário

Rrrrapaz, o Eita Peste! fez dois anos e acaba de receber um presente atrasado:

http://www.digestivocultural.com/blog/post.asp?codigo=1118

Obrigado Ana Claudia (que me deu a notícia) e muito obrigado Julio (que fez a nota)!

segunda-feira, dezembro 04, 2006

Moby Dick

Depois de 666 páginas (isso aí, 666!) e três meses, terminei ontem de ler Moby Dick! Fosse eu um pouquinho mais nerd, daria uma festa comemorativa.

Cara, que livro bom. Vai se lascar, que livro bom! Não é um livro normal. É uma mistureba. O narrador começa em primeira pessoa, depois vai pra terceira, depois pra terceira onisciente. Tem horas que vira um monólogo, tem horas que vira uma peça de teatro (!) e por aí vai... Fora o estilo, cheio de frases longas, retorcidas de tantas vírgulas. Os personagens são todos malucos, usam as expressões mais complicadas do mundo, falam como se fossem profetas. Os diálogos... É como se fosse Jesus Cristo conversando com Maomé!

Fora que a trama em si não tem linearidade nenhuma. Tipo Machado de Assis, só que mais digressivo ainda. Ismael, o narrador, é fissurado pela coisa de explicar a baleia. Então, a maioria dos capítulos nem historinha tem. Ficam naquela coisa de dissecar as características do bicho: a cabeça, o comprimento, o esqueleto, o olhar, escritores que falaram das baleias, pintores que retrataram as baleias, e por aí vai. O fods é que não é chato, não mesmo. Porque o filho da mãe é irônico, filosófico, engraçado e místico. Não é só um romance, é uma mini-enciclopédia.

Há também as mil citações, as mil referências à Bíblia, principalmente ao Velho Testamento. Sem contar com as pistas que vão sendo deixadas ao longo da história como sinais do final inevitável.

Na internet, achei duas resenhas bem interessantes. Mas, sei lá... Leia o livro antes... Porque resenha sempre tira algumas surpresas.

http://www.digestivocultural.com/colunistas/coluna.asp?codigo=289

http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-40142002000200014&script=sci_arttext

Só não consegui encontrar em canto algum por que a baleia se chama Moby Dick. Vai saber...