terça-feira, julho 27, 2010

Hotel Transamérica

Abro a cortina
vejo a piscina
e a água parece fria.

Noto a favela
fecho a janela
e ligo o ar condicionado.

Ponho o pijama
deito na cama
e acordo ao meio-dia.

Encho a banheira
fico de bobeira
e saio todo enrrugado.

Peço o almoço
devoro até o osso
e aceito a confeitaria.

Volto ao apê
ligo a TV
e - glória a Deus! - ainda estou cansado!

segunda-feira, julho 12, 2010

Momentos memoráveis – Copa 2010

. Melhor jogo: Brasil x Holanda. Jogando o “filé da bola” no primeiro tempo, o hexa viria certo! Kaká era Kaká, Robinho era Robinho, Lúcio era Lúcio - e Felipe Melo, santo Deus!, NÃO era Felipe Melo (que passe!);
. Pior jogo: Brasil x Holanda. O Alzheimer bate no intervalo e o time esquece o que fez no primeiro tempo. Kaká não era mais Kaká, Robinho não era mais Robinho, Lúcio continuou sendo Lúcio... mas, de nada adiantou. Afinal, Julio César deixou de ser Julio César e Felipe Melo, Dio santo!, VOLTOU a ser Felipe Melo!;
. Melhor time: Alemanha. Se Honduras enfiasse 4 a 0 na Argentina, Honduras seria a melhor seleção da Copa;
. Técnicos: Maradona beijoqueiro, Domenech encrenqueiro, Dunga retranqueiro, Del Bosque tranquilão e Jochim Löw, o alemão comedor de caquinhas!;
. Musos: Cristiano Ronaldo? David Beckham? Canavarro? Meninas... Puyol (que, segundo minha namorada, parece o Capitão Gancho)!!!!;
. Monstros: o bicho-papão que de noite assusta as criancinhas é a soma da cútis do Tevez + a scarface do Ribéry + a verruga no canto da boca do Maxi Pereira + a testa e a trança do Gervinho + o jeito meigo do Felipe Melo;
. Nomes mais legais: Schweinsteiger (Alemanha), Van Bronckhorst (Holanda), Capdevilla (Espanha), Tshabalala (África do Sul) e, muitos níveis acima, Welcome (Honduras);
. Troféu pinga sangue: talvez a cor laranja afete o senso de contenção do ser humano, pois nunca se viu bater tanto quanto a Holanda na Espanha e a Costa do Marfim no Brasil!;
. Melhor árbitro: não foi;
. Troféu “Eu queria no meu time”: Schweinsteiger, Diego Forlan e Lúuuuuucio!;
. Estádio mais bonito: qualquer um, sem contar os gramados;
. Bastidores, em ordem cronológica: na abertura, o mundo conheceu Galvão e mandou-o calar a boca (como eu e você fazemos há anos nos domingos em que ele tá a fim de trabalhar); na metade, os olhares encantaram-se com Larissa Riquelme, dona de duas montanhas nos Alpes paraguaios (onde cria celulares); e no final, o universo ajoelhou-se perante Paul, o polvo emissário do divino!;
. Pé frio: agora todos nós sabemos porque os Beatles são mais queridos e famosos que os Rolling Stones;
. Camisa mais bonita: Alemanha. Tanto é que tem uma pendurada no meu armário. Menção honrosa: Espanha e México. E viva a Adidas!;
. Troféu dicção: Galvão, tentando pronunciar o sobrenome do goleiro espanhol Iker Casillas durante a final: Cassidjas, Cazilhas, Cassilas, Cazidjas, Cassilhas e por aí vai...;
. Troféu “eu tenho cara de bebum”: Dr. José Luiz Runco (Brasil);
. Troféu “ainda bem que não me convocaram!”: Neymar, Paulo Henrique Ganso, Ronaldinho Gaúcho e o goleiro Vítor;
. Troféu “crime temático durante a Mundial de Futebol”: caso Bruno;
. Troféu “exageramos na quantidade de repórteres e, por isso, tínhamos que fazer matéria de qualquer porcaria”: Rede Globo;
. Defesa mais bonita: Suarez (Uruguai);
. Gol mais bonito: Luis Fabiano (esporte que proíbe usar o braço é o tênis, que se joga com raquete!);
. Troféu “cobrança de pênalti a la Palmeiras e Atlético Goianiense pela Copa do Brasil”: Paraguai e Espanha (menção honrosa a Gyan, atacante de Gana);
. O que fica de bom para a humanidade: a paz e a harmonia dos povos bebendo cerveja em pleno estádio! no outrora dividido território sul-africano (vulgo Distrito 9);
. O que fica de nocivo à humanidade: vuvuzela e jabulani.