sexta-feira, fevereiro 02, 2018

Semeada

Se o amor nascer
do chão escuro onde não entra luz,
muda a brotar em silêncio
a crescer e encorpar
quando a chuva desce
em calmaria ou tempestade
de arrancar galhos enfraquecidos,
pois toda poda é boa,
e o sol brilhar como se nunca
houvesse poente,
florescerá, então, perfumará o dia,
o faro das abelhas e borboletas,
a fim de que haja trânsito,
troca,
e transa,
para da seiva bruta se gerar o fruto
livre do pecado,
que alimenta os pássaros, amadurece
e tomba
de volta à terra,
ao abraço das minhocas,
ao mistério que pisamos
sem darmos conta de tanto amor
há a renascer
bem abaixo de nós.

quarta-feira, janeiro 31, 2018

Matéria, mas não tanto

A sra. Ana era resoluta e decidida.
Acreditava no que estudava
e estava grávida da primeira filha.

Cria, quando morresse, que de vez
por todas acabaria.

Mas, quando calculava o fim da filha,
será no Céu, ela dizia.

terça-feira, junho 06, 2017

Caverna de nuvens

Quando sinto que a vida é trivial,
lembro, às vezes, que existem
as tartarugas,
as equidnas,
os seres brilhantes das profundezas;
que as plantas brotam do chão
e não caem,
que os gatos nos observam em silêncio,
que há o universo,
a Terra: todos peixes num aquário azul,
homens do mito de Platão,
presos numa caverna voadora, feita
de nuvens de água, que surgem, somem,
e reaparecem sem padrão algum.

quarta-feira, março 22, 2017

Cosmologia

Ai de ti
que só escreve sobre si.

O sol,
a Terra, a lua
e todo resto dos planetas,
tatuou na barriga,
em volta do umbigo.

Das cinco vogais,
só usa a segunda e a última.

Sai deste corpo
que não te pertence!

Vem pra fora ver a vida,
as dores,
as alegrias
que não são - e também
são - tuas.


quarta-feira, fevereiro 08, 2017

Desejo

Deveria ter um poço
onde a gente joga
toda nossa dor
mágoa
cansaço
raiva
ossos trincados

e recolhe água fresca.

quarta-feira, janeiro 18, 2017

Show, Teatro e Game 2016

Foram um só de cada.

- Show: Tributo a Amy Whinehouse no Theatro Pedro II (Ribeirão Preto)
Nunca vi uma plateia tão generosa. O show tava ruim: apesar da banda boa, a Amy cover tava supernervosa, mas a galera comprou pra si a moça e começou a cantar junto, a bater palma, empolgar, como quem diz: vai sem medo que, se cair, a gente te segura. No fim, a cantora (não lembro o nome dela) saiu dançando pela plateia, fez selfie com Deus e o mundo, sorriu e chorou e a coisa terminou bacana (e um pouco doida).

- Galileu Galilei (Bertold Brecht), também no Pedro II
Primeira peça que vi neste teatro lindo, Denise Fraga como protagonista, atuações de primeira, coisa linda. Só um pouco longa.

- Chrono Trigger
A versão do PSOne no PS3. Joguei bem espaçado, levei mais de ano pra zerar. Mas, zerei.

Álbuns 2016

Foram 15. Só tô contando os que ouvi de cabo a rabo, alguns mais de uma vez. Claro que ao longo do ano ouvi várias músicas dispersas e partes de outros álbuns, mas não contabilizei. Da lista, somente Ruído Rosa (Pato Fu) ouvi em mídia física (CD). Que coisa, não? 

Destaque para as descobertas: Caso Real (Lítera), The Golen Age (Woodkid) e para o novo do Kings of Leon, Walls.

- Breathe (Midnight Oil);
- Ruído Rosa (Pato Fu);
- Gol de Quem? (Pato Fu);
- Yield (Pearl Jam);
- The Golden Age (Woodkid);
- Leviathan (Mastodon);
- L’enfant Sauvage (Gojira);
- Caso Real (Lítera);
- Favourite Worst Nightmare (Artic Monkeys);
- City of Echoes (Pelican);
- Raimundos;
- Titãs Acústico;
- Velocia (Skank);
- Walls (Kings of Leon);
- In Utero (Nirvana).

terça-feira, janeiro 17, 2017

Séries de 2016

Foram sete temporadas de cinco séries diferentes. Dou conta de ver muita série ao mesmo tempo, não.
Lamentamos imensamente o cancelamento de Marco Polo.

- Black Mirror (1ª e 2ª temporadas);
- Demolidor (1ª e 2ª temporadas);
- Game of Thrones (6ª temporada);
- Marco Polo (2ª temporada);
- Strange Things (1ª temporada).