quinta-feira, fevereiro 08, 2007

Longa noite

E a noite de insônia rendeu bastante!
Sabe aqueles casais irritantemente apaixonados? Ontem tinha um assim sentado atrás de mim no busão de volta. Inspirado no momento, eis:

Etiqueta

Um se lambuza na boca do outro...
A chuva cai, mas que se exploda!
O busão balança e que se dane!
O trânsito engrossa, quem se importa?:

Se uma boca leva à Roma,
duas leva e trás!

Beijem, seus fia da puta!,
o amor é o top da Natureza,
mas beijem baixo, por favor,
assim parece que vocês tão tomando sopa!


* "A chuva cai, mas que se exploda!": este verso quase que derruba a segunda estrofe do poeminha do post abaixo! Mas, viva a licença poética!
Aliás, esse Etiqueta... haja licença poética!

Insone

Ontem passava da uma e meia e o sono não chegava. Para matar o tempo, peguei o caderno e saiu:

Ligadão

The book is on the table
e meu sono foi pro espaço!

A chuva cai lá fora,
pois chuva não sobe e
nem se chove dentro.

Oh, ventilador!
Tu que giras a noite inteira
leva este calor embora,
amanhã é só quinta-feira!

quarta-feira, fevereiro 07, 2007

Doutor alergia

Sou um cara cheio das alergias. Ao vir para São Paulo, minha querida mamãe desesperou: eu ia ficar a 600 quilômetros de casa... e se acontecesse alguma coisa?!! Eu teria de estar pronto para encarar as abelhas e as dipironas malvindas - e descobrir eventuais inimigos ainda desconhecidos para viver e deixá-la viver em paz. Como palavra de mãe tem poder, não boquejei: fomos eu e ela ao médico alergista, em Prudente.

Vinte minutos de espera, entramos. Era um senhor de bigode e jaleco brancos e surrados, diploma e especializações nas paredes, ar condicionado barulhento, prateleira cheia de livros decorativos, mesa grande: paciente cá, médico lá.

Sentamos. O homem estava vasculhando o computador. Ficou nisso uns cinco minutos, até que achou o que queria - minha ficha, creio eu - lembrou-se de que tinha um paciente à sua frente e soltou:
- E aí, Silvio, qual é o problema?

Silvio é o nome do meu pai. Tudo bem, ele deve ter olhado errado na ficha, relevemos.

Matraquei por um tempo. Porém, minha mãe, como toda mãe, achou que eu não tinha contado tudo direitinho, tim-tim por tim-tim. Assim, voltou a dizer tudo o que eu já havia dito, deixando bem claro e falando bem alto que o Lucas já tivera isso, que o Lucas já tivera aquilo, e então o Lucas, o Lucas, o Lucas, o Lucas... Saquei qual era a dela e pensei: dona Silvana está mandando bem!

O doutor escutou calado, mexendo nos papéis, passando os olhos pela sala, nos interrompendo só uma vezinha para atender o celular e conversar com a filha, coisa de três minutinhos. Enfim, chegara a inevitável hora de ele apresentar a solução de meu problema:
- Então, Rodrigo, veja bem...

Rodrigo é o nome do namorado da minha irmã. Não lembro se havia um espaço na ficha reservado para "cunhados"; acho que não.

Seu doutor explicou, sugeriu, indicou, receitou, mas, eu nem prestei atenção. Afinal, não era comigo.

segunda-feira, fevereiro 05, 2007

Notas paulistanas 11 - McManco

- Ué... Que McDonald's é esse?
- Como?
- Que McDonald's é esse que não tem o M?!!!

Nunca tinha reparado. Depois da reforma, o tal da Paulista ficou sem a letra amarela! Deve ser o único no mundo!

Se o Ronald descobre...

sexta-feira, fevereiro 02, 2007

Dia de expediente

Enquanto discutíamos a presidência da Câmara, o socialismo, o capitalismo, Marx, Engels, Bush, o aquecimento global, a China, Cuba e Fidel, rede Globo, religião, Charles Darwin e Edgar Morin!, seu Sebastião subiu e consertou todo o telhado.