quarta-feira, dezembro 21, 2005

Notas paulistanas 8 - Chuva

E eu achava que chovia muito em Londrina...

segunda-feira, dezembro 19, 2005

Assim parece

A ética pára onde começa o medo.

Rotina

De noite, empunhava sua guitarra, estufava os pulmões e cantava aos berros The Anti-Christ, do Slayer:

"I am the Antichrist
It's what I was meant to be
Your God left me behind
And set my soul to be free"
E, quando a galera delirava, gritava ele, agradecendo: "Fuck you aaaaaaall!!!"
De dia, pegava o violão e passava a manhã ensinando a filhinha tocar Os Cinco Patinhos, da Xuxa:
"Cinco patinhos foram passear
Além das montanhas
Para brincar
A mamãe gritou: Quá, quá, quá, quá
Mas só quatro patinhos voltaram de lá"
E quando ela acertava, dizia ele, todo orgulhoso: "Muuuuito beeeeeem!!!"

terça-feira, dezembro 13, 2005

Dia-a-dia

Somos quatro. Todos silenciosos, concentrados.
As cortinas estão fechadas. A luz, lá fora, é forte.
As paredes são brancas, um ou dois cartazes.
O carpete escuro está soltando-se do piso.
As janelas têm grades azuis e os vitrôs estão cerrados.
Engraçado que não esteja quente.

segunda-feira, dezembro 12, 2005

Sono em alto-relevo

Sono...
Desabou na cama. Não se deu ao trabalho ao menos de pegar o travesseiro. Deitou-se como chegou, de roupa e tudo, em cima da colcha posta. Nem os sapatos tirou.

Não dormiu feito pedra. Sonhou - paradoxo! - que era uma borboleta. Voava, leve, pelos campos iluminados, por entre as flores amarelas, sentindo o ar repartir-se em dois a cada vai e vem de suas asas.

Aliás, que belo par! Multicoloridas, como vitrais de uma catedral antiga. Provocava inveja nas moscas, abelhas e grilos. Era a rainha da pradaria, a pequena que irradiava quando sacolejava as tintas de suas asas.

Tanta festa chamou a atenção de um caçador, que a perseguiu por três tardes. No fim da última, apanhou-a, trancou-a em um pote e voltou para a cidade.

Lá, vendeu a borboleta para um colecionador de insetos, que a matou e a espetou num mostruário.

A beleza que ela tinha havia toda se perdido. E o sono que ele tinha foi todo para o espaço. Acordou muito assustado.

Final do Mundial

Se der São Paulo e Liverpool na final do Mundial, muita coisa estará em jogo, não só um trofeu de futebol.
Será o combate entre o céu e o inferno.
Quem vencerá... Os tricolores paulistanos discípulos de Saulo de Tarso ou os Diabos Vermelhos da cidade dos Beatles?

Sei lá... 25 anos da morte do John Lennon, tudo pende para baixo.
Clamem às núvens, sãopaulinos: "Lady Maddona... Don't let me down!"

De qualquer forma, que vença o melhor.

sexta-feira, dezembro 09, 2005

Troca

Quanto menos eu falo,
mais as palavras crescem por dentro.

Eufêmicas

- Ai, baralho! A vida é soda!

Notas paulistanas 7 - Coleção de famosos

Minha coleção de famosos está aumentando.
Depois de ter visto o Nando Reis, o Rafa (VJ da MTV) e a Maria Cândida (do Guiness Book), ontem cruzei com o ator Murilo Rosa na Fnac da Paulista.

Já falei... Um dia ainda me deparo com a Madonna perambulando pelas ruas da cidade de São Paulo.

quinta-feira, dezembro 08, 2005

Conclusão após duras penas

Afinal,
O amor, a vida...
- É ritmo!

Rancor literário

Tudo tá me parecendo tão metido a besta...
Inclusive este Eita Peste! e seu autor.

quarta-feira, dezembro 07, 2005

Sina

O dia lindo e nós aqui, enfurnados.
Deus nos deu tudo, mas o homem só aproveita aquilo que ele próprio inventa.

terça-feira, dezembro 06, 2005

Diáspora

Houve um tempo em que as abelhas eram os seres mais inteligentes. Dominavam o mundo e não tinha para mais ninguém.
Um dia, em meio a tantas, nasceu uma sábia. Num sonho, ela previu a destruição de sua espécie: as abelhas iriam se multiplicar de tal forma descontrolada, que todo planeta Terra tornar-se-ia uma colméia gigantesca.
A sábia descreveu seu sonho na Assembléia Mundial. Atônitas, as outras abelhas decidiram que era tempo de desagregar. Assim, cada uma delas voou para bem longe - e nunca mais vieram a se encontrar.

É por isso que, hoje, existem colméias em todos os quatro cantos do mundo. Colméias pequena.

segunda-feira, dezembro 05, 2005

Descoberta

Vasculhando na internet, encontrei, nada mais nada menos, que:


O Código do Samurai
Eu não tenho pais, faço do céu e da terra meus pais.
Eu não tenho casa, faço do mundo minha casa.
Eu não tenho poder divino, faço da honestidade meu poder divino.
Eu não tenho pretensões, faço da minha disciplina minha pretensão.
Eu não tenho poderes mágicos, faço da personalidade meus poderes mágicos.
Eu não tenho vida ou morte, faço das duas uma, tenho vida e morte.
Eu não tenho visão, faço da luz do trovão a minha visão.
Eu não tenho audição, faço da sensibilidade meus ouvidos.
Eu não tenho língua, faço da prontidão minha língua.
Eu não tenho leis, faço da auto-defesa minha lei.
Eu não tenho estratégia, faço do direito de matar e do direito de salvar vidas minha estratégia.
Eu não tenho projetos, faço do apego às oportunidades meus projetos.
Eu não tenho princípios, faço da adaptação a todas as circunstâncias meu princípio.
Eu não tenho táticas, faço da escassez e da abundância minha tática.
Eu não tenho talentos, faço da minha imaginação meus talentos.
Eu não tenho amigos, faço da minha mente minha única amiga.
Eu não tenho inimigos, faço do descuido meu inimigo.
Eu não tenho armadura, faço da benevolência minha armadura.
Eu não tenho espada, faço da perseverança minha espada.
Eu não tenho castelo, faço do caráter meu castelo.

V

Chega um dia em que a estrada bifurca.
Continuamos de mãos dadas e seguimos unidos ou vai cada um pelo seu caminho preferido?

As horas passam e incomodam.

sexta-feira, dezembro 02, 2005

Gritos na noite - Mocinho ou bandido?

Eu não sou ladrão! Eu não sou ladrão! Sou Polícia Civil! Eu não sou ladrão!!!

Era 1h01, exatamente. Fiquei na cama, encolhido, de ouvido em pé.
O homem continuou berrando por uns 20 minutos. Do lado de fora, carros chegando, saindo e gente conversando algo que não entendi.
Aos poucos, caí no sono novamente.

quinta-feira, dezembro 01, 2005

Lições da vida...

É hora de começar a beber leite.

quarta-feira, novembro 30, 2005

Eis a resposta

Eis a resposta da dúvida do post abaixo. Obrigado à Folha de S. Paulo (autora da matéria) e ao Publish News (onde a encontrei). O nome do escritor agressor é Yves Hublet.

Escritor bate em Dirceu com bengala

"(..) O incidente ocorreu por volta das 18h. Cercado de jornalistas, o ex-chefe da Casa Civil foi surpreendido por dois golpes de bengala que miravam sua cabeça. Enquanto desferia as bengaladas, Hublet gritava "Fristón, Fristón", em referência a um personagem do livro Dom Quixote, obra-prima do espanhol Miguel de Cervantes. Na saída da detenção, Hublet negou-se a explicar o motivo da agressão. "Leiam Dom Quixote", afirmou. Em uma passagem do livro, Quixote diz que seu inimigo Fristón, um mago, "não poderá evitar aquilo que pelos céus está ordenado". Quixote atribui a Fristón (ou Fristão, nas edições em português) a transformação dos "gigantes" que tenta atacar em moinhos de vento, "para roubar-me a glória de vencê-los". O cavaleiro diz, a seguir, que "de pouco valerão suas más artes contra a bondade de minha espada". De acordo com a professora de Letras da USP Maria Augusta da Costa Vieira, especialista em Cervantes, Fristão é, na visão de Dom Quixote, um "encantador, que transforma o mundo segundo seus interesses". O paranaense Hublet é palestrante e autor de livros infantis, entre eles A Grande Guerra de Dona Baleia, Artes & Manhas do Mico-leão-dourado, Anzol Milagrosoe Planeta Água. Ele também é oficial de reserva da Aeronáutica. O escritor foi enquadrado no artigo 140 do Código Penal, por "injúria real" (ofensa com agressão física), que pode resultar em um ano de prisão, e liberado a seguir. Dirceu ainda avalia se prestará queixa formalmente (...)".

Te cuida, malandro!

Que cacetada!

Zé Dirceu saía de uma sala do Congresso quando um senhor, dominado pela fúria, sentou uma bengalada no ex-manda-chuva do país. Tudo diante das câmeras. Saiu em tudo quanto é jornal. Deu até pra ouvir o Zé soltando um "Ai!"

Em entrevista ao Jornal da Cultura (senão me engano), ele dramatizou. Disse que poderia ter sofrido uma lesão séria se a agressão o tivesse realmente atingido em cheio... Mas, que, nada ocorreu por ele ter um bom preparo físico! Sem comentários.

Hoje, resolver-se-á se ele vai ou não ser caçado. O cara é confiante, acha que termina o mandato. Eu não sei de nada... Virou tudo uma bagunça, uma chatice, briga de comadres - que, no final, sempre fazem as pazes.

Gostaria mesmo é que os jornais tivessem informado o que o senhor da bengala - um escritor paranaense de livros infanto-juvenis! - disse ao Zé, na hora do pau.

Eu, cá com minha imaginação, creio que ele disse "Judas". Porém, tenho quase certeza de que a palavra terminou com "ão"... Então, de novo, não sei de mais nada.

Fica esperto, Zé Dirceu...
Foram as bengaladas sinais premonitórios de possíveis cacetadas, hoje?

***

O Jornal da Cultura (senão me engano) fez questão de inserir na matéria que o escritor era apaixonado por Dom Quixote - o "louco" das batalhas impossíveis.

segunda-feira, novembro 28, 2005

Um ano de Eita Peste!

Aeee! Pois é! Um ano já de encheção de saco!
Mas é muito bão escrever isso aqui. Ficou viciante!
Valeu, meu povo!

O motorista cruel

São famosas as crônicas de diversos autores que tratam da "falta de assunto". Todos os estrelas do gênero - Rubem Braga, Fernando Sabino, Paulo Mendes Campos, entre outros - escreveram sobre isso. Porém, têm dias que uma crônica cai no seu colo.

Estava no ônibus, vindo para o trabalho. Dividia minha atenção entre o movimento das ruas e divagações de minha própria cabeça. Pouco ligava para o resto.
O ônibus estava vazio. Cobrador e motorista conversavam alto. A certa altura - eis o presente que me deram - o cobrador disse ao parceiro que não gostava muito de dirigir. Vejam só o que o motorista - o motorista - respondeu:

- É rapaz... Eu também não gosto muito não. Se eu fosse rico, a primeira coisa que eu ia fazer era contratar um motorista. Aí eu só ia ficar no banco de trás com um chicote na mão, mandando: "Vira pra direita, fila da puta! Agora pra esquerda, fi duma égua!"

E os dois caíram na risada.

domingo, novembro 27, 2005

Amanhã...

Amanhã, apesar de ser segunda-feira, é dia de festa.
Aguardem.

quarta-feira, novembro 23, 2005

Continuando...

Lembram-se do post do Vampiro duns dias atrás? Olhem só:



Cuidado com o seu pescocinho!
PublishNews - 23/11/2005
Os mistérios envolvendo a origem e o fim da vida povoam o imaginário humano com imagens de desespero ou esperança e seres que transitam entre este e o outro mundo. A passagem da vida para a morte gerou diversas narrativas míticas, mas, em sua faceta maléfica, um personagem se impôs a partir do século XVIII: o vampiro, cuja encarnação mais conhecida é o Drácula imortalizado por Bram Stoker. A criatura que se aproxima de suas vítimas na escuridão da noite para lhes roubar o sangue e a alma recebe em História dos vampiros - Autópsia de um mito (Unesp, 210 pp., R$ 29, trad. Álvaro Lorencini) um tratamento digno do fascínio que exerce sobre o imaginário humano. Dissecado por Claude Lecouteux, a figura do vampiro surge como símbolo das contradições que dilaceram a alma humana, principalmente após o Iluminismo e o apogeu do racionalismo científico na Europa.

UIA!

Mantrinha

Suma no mundo,
Não se arrependa,
Parar é fenda
Para se enfiar.

segunda-feira, novembro 21, 2005

Os pirata!

Uma coisa que eu realmente gostaria de fazer e, quem sabe, um dia faça é um romance de piratas.
Cheio de aventuras, de sujeitos mal encarados, reviravoltas, perigos, acidentes, explosões, heróis, vilões, mocinhas, paisagens deslumbrantes, povos diversos, países exóticos, animais estranhos, e tudo o mais!

Falta um pouquinho disso na Literatura, não? Aventura, e só.

quinta-feira, novembro 17, 2005

Ponto de vista

Tem dias que passam voando.
A gente mal percebe porque fica aqui sentado, na rês do chão, observando eles láá longe, bem pequeninos.

segunda-feira, novembro 14, 2005

Nova utilidade

Acabei de descobrir uma nova utilidade para o Eita Peste!
Como o template é negão, a tela do computador acaba virando um espelho.
Já leu um livro que estampa em suas páginas a reação do leitor?
Hehe! Aqui dá!

quinta-feira, novembro 10, 2005

Notas paulistanas 6 - Cuidado!

Uma coisa que há de monte na cidade de São Paulo é merda de cachorro espalhada pelas ruas.

Diz a lei que os donos tem de recolher as necessidades de seus bichinhos, caso contrário, o tempo fecha e a multa é alta. Bom, eu nunca vi ninguém fiscalizando isso. Sei lá se deveria, também. Leis desse tipo são feitas nas melhores das intenções, mas não têm chance de serem postas em prática, redondinhas, como estão no papel.

Fica no bom senso. Oras, o cachorro do cara suja a rua em que o cara mora e o cara, ao invés de dar um jeito, caga e anda pra cagada do seu cachorro?! Tem gente que limpa, eu sei. Creio até ser a maioria. Mas, é tanta gente, tanto cachorro e tanta merda em São Paulo que a minoria já é muito.

Como resolver o problema? Proibir os cães de saírem às ruas? Ser radical e dar um fim a vida dos porcalhões inconscientes? Pôr uma rolha no buraquinho? Eu, como bom discípulo do Capitão Planeta, não acredito nesses métodos.

O negócio é prestar atenção e ir desviando. Olhar sempre para baixo e checar onde se está andando... Nesse ponto, São Paulo ajuda. Afinal, não há estrelas no céu para a gente admirar.

quarta-feira, novembro 09, 2005

Dica maléfica

Impressão ilegal de Bíblias
Gazeta Mercantil - 9/11/2005

Um tribunal chinês condenou ontem um pastor protestante, sua mulher e o irmão dela a penas de até três anos de cadeia. A condenação ocorreu porque eles teriam impresso ilegalmente Bíblias e outras publicações cristãs, conforme explicou um de seus advogados. Na China ateísta, a impressão de Bíblias e de outras publicações religiosas precisa de aprovação do Gabinete Estatal de Assuntos Religiosos. Bíblias não podem ser compradas abertamente em livrarias.

"Traficantes de Cristo", invistam nos comunas!

Fonte

Tem dias que são bons para se desenhar. Hoje é um deles.
O certo é a gente desenhar com a barriga. Não é com a mão, com a cabeça ou com o coração.
Você sente o Negócio saindo de lá. Percorre o meio do tórax, resvala no coração e segue para o braço e antebraço direito. Até que sai, de qualquer jeito - do jeito que vier - pela mão.
A cabeça só coordena: isto aqui, aquilo ali - sem travar. Quem dá o ritmo é a barriga, um pouco acima do umbigo.
É lá que manda.

segunda-feira, novembro 07, 2005

Visita do Bush ou mal agouro

Uma das atrações da R. Brigadeiro Galvão, aqui em Sampa, é um barzinho de uma porta só.
Nunca entrei. Só o conheço de passagem, isto é, de dentro do busão que me leva para o trabalho. Mesmo assim, dá pra sentir o lugar.
O dono caprichou. Balcão bacana, móveis legais, paredes pintadas, com reboco novo...
O toque de mestre, porém, está bem no meio de uma das paredes. Ela não foi preenchida por inteiro com argamassa. Alguns tijolos ficaram à vista - formando um desenho do mapa do Brasil.
Pode parecer brega, mas é legal. Eu acho, pelo menos. Mas, talvez, eu seja brega.

A questão é que hoje não consegui ver o mapa de tijolos. Em frente dele, o dono colocou um freezer da Coca-Cola.

sexta-feira, novembro 04, 2005

Hora de ir embora

Lembro-me que nos tempos de escola, o fim de cada aula era anunciado por um sinal escandaloso.
Aqui na editora ocorre algo parecido. Há uma igreja por perto. Daqui 13 minutos, o sino vai tocar e é hora de partir.

Até segunda-feira.

Surpresa e decepção

Rapaz, fiquei sabendo que o Robert Crumb também nasceu no dia 30 de agosto!
Se meu anjo da guarda for tão bom quanto o dele, talvez eu tenha algum futuro.

***

Ontem reli quase todo Eita Peste! É estranho voltar a textos feitos para determinado dia ou época. Perdem a força e acabam ficando ruins (se já não eram...).
Por isso, cada vez mais respeito Rubem Braga e sua gangue. Eternizar o fugidio não é para qualquer um.

quinta-feira, novembro 03, 2005

Boooi

Disparado, o bicho que mais sofre na mão do homem é o boi.
A vaca também, é claro, mas o boi sofre mais.
Nasce morto. No pouco que "vive", sofre. É confinado, capado, marcado a ferro quente.
Diz-se que, do boi, o homem só não aproveita o mugido. É verdade.
Os bois não existem como espécie. São nossos escravos, são continuações nossas. Com eles, fazemos o que bem entendemos. Nenhum ecologista vê isso?

Se realmente existe recompensa depois da morte, o paraíso dos bois deve ser o melhor de todos.

quarta-feira, novembro 02, 2005

Notas paulistanas 5 - Trabalhar no feriado

Todo dia de trabalho poderia ser feriado, pelo menos aqui em São Paulo.
Por quê? Pelo trânsito.
O motorista nunca esteve tão contente. Acelerava com gosto, sentindo na nuca o busão embalando para frente. Foi a primeira vez que andei 50 metros em "tempo real", sem soquinhos. A Avenida Paulista parecia qualquer rua de Martinópolis.
Saí atrasado de casa, pensei já ter perdido a condução. Pelo contrário! Cheguei, dois minutos depois, o Lapa apareceu. E vazio! Ah, todo dia poderia ser assim.

Nem esquentei quando o busão parou no meio do caminho, enguiçado.

sexta-feira, outubro 28, 2005

Vampiros

Ultimamente, houve um novo boom em torno da figura do vampiro. Anne Rice, Hollywood, RPGs etc. etc.
Nunca fui muito fã de vampiros. Mas, de uns tempos para cá, eles têm despertado meu interesse.
Na verdade, desde que eu assisti Nosferatu. Quer dizer, confesso que não assisti o filme todo. Dormi no meio e acordei perto do fim (que eu nem mais me lembro). Pouco importa. O que me marcou foi a figura.
Os vampiros modernos não trazem mais a marca da maldição, essência do mito. Oras, o vampiro não é um imortal, como são mostrados os de hoje em dia. Ele é um morto-vivo, alguém que deve passar a eternidade nas sombras, sem ver seu próprio reflexo, alimentando-se de sangue e desgraçando outras vidas.
Além disso, ele não morre. Não há Céu ou Inferno para o vampiro. A superfície da Terra é seu único mundo, lugar que ele habita como um pária - pior, um maligno. Aquele que carrega a maldição não possui espírito. Seu corpo é sua alma. Caso o corpo pereça, tudo deixa de existir.

O Nosferatu estampa esse peso. Não há conforto. Só a dor de ser quem é e a culpa de matar e passar a marca a outras pessoas. É, por isso, um bizarro. Não tem a elegância nem os dotes sedutores de seus primos modernos. É torto, desajustado, perambula sem saber para onde ir ao certo. Não é rei de nada. Não manda nem é mandado por ninguém. É sozinho. Vive cada segundo como se fosse eternamente, sem planos.

Isso é o assustador no mito do vampiro. O fato de que essa desgraça pode ser transmitida àquele que for mordido. Por isso ele causa medo, e não porque tem dentões compridos.

terça-feira, outubro 25, 2005

segunda-feira, outubro 24, 2005

Sexy???

Porque as meninas, mulheres, moças, etc. quando querem expressar uma "carinha sensual", fazem biquinho?
Ridículo! Deviam aprender com ela (http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=11728). Nunca faz biquinho e é a mais sexy do mundo.

quinta-feira, outubro 20, 2005

6 por 1/2 dúzia?

Meus caros,
agora quem quiser moambar no Paraguai não vai mais poder ir pela fronteira com Foz do Iguaçu.

Dêem uma olhada: http://www.londrix.com/noticias.php?id=13940&PHPSESSID=66f29dce10aad5b6823949955d20cdf8

Algum lingüista por aí?

quarta-feira, outubro 19, 2005

Mande às favas... Vote 3!


Estou longe de casa, por isso terei de justificar o voto. Mas, se fosse participar do referendo, meu voto seria 3! (Quem começou tal campanha foi o Domingos Pellegrini: www.sitioterravermelha.com.br).
Por causa do trabalho e da falta de interesse, não acompanho os programas das duas frentes. Pelo pouco que vi, os argumentos giram em torno do "Direito de defesa que vamos perder" (1 - Não) e do "Direito à vida que vamos ganhar" (2 - Sim).
Ambas campanhas são furadas, não é mesmo?
Mesmo se o Sim vencer, o fulano ainda poderá adquirir uma arma sem fugir da lei. Para isso, ele deverá provar por a + b + c + d que necessita de um troço desses, apresentar tais argumentos à Polícia Federal e torcer para passar no vestibular. O argumento do pessoal do Não, então, cai por terra.
Se o Não vencer, continua tudo como está. Isto é, para o fulano adquirir uma arma sem fugir da lei, ele deverá provar por a + b + c + d que necessita de um troço desses, apresentar tais argumentos à Polícia Federal e torcer para passar no vestibular.
Então, porr..., qual a diferença???????
Qual é a diferença entre o cara adquirir um trabuco via Exército (caso o Sim vença) ou via loja de armas (caso o Não vença)? O Estatuto do Desarmamento já restringiu as coisas, antes desse referendo!
Tanto o Sim quanto o Não são hipócritas. O Não porque acredita que uma arma aumenta as chances de defesa do cidadão comum e o Sim, pois crê que desarmar o mesmo cidadão comum irá diminuir a violência e o assassinato.
Aí vem apelação de tudo quanto é lado. O Sim começa a levantar suspeitas de que as lojas de armas vendem por fora, no mercado negro. O Não diz que os artistas que fazem a campanha do Sim andam com segurança armada, enquando o trabalhador sofrido... blá blá blá, blá blá blá!
Impedir a comercialização de armar (é só isso que o referendo vai decidir, não o DESARMAMENTO) não vai pacificar o mundo nem arrancar nada de quem já tem. Campanha de verdade seria a de se proibir a fabricação de armas para civis. Armas, só por encomenda para as Forças Armadas! 38ão deixaria de existir!
Mas, quem tem peito de Super-Homem para bater de frente com as Taurus da vida?

E já está virando moda. Segunda de manhã, no intervalo do Bom Dia Brasil, lá estava o Paulo Betti fazendo campanha a favor de um reverendo para decidir se o petróleo nacional deve ou não ser exportado... Tenha dó! Para que se gasta um dinheirão em eleições e campanhas políticas se "os representantes do povo" não são capazes de decidir por nós????
Tá louco... Ou é referendo, ou é mensalão. Estamos bem na fita, não?

terça-feira, outubro 18, 2005

Coisa complicada

Adquirir reconhecimento é uma coisa complicada.
Por que um rapaz de 16, 17 anos resolve ser médico, adEvogado, jornalista, aviador - por quê, se ele será só mais um, entre tantos outros nessas profissiões?
A fama e o reconhecimento pertencem a poucos. Mesmo assim, o cara estuda, se rala inteiro, se fode de verde e amarelo - por quê?
Pelo sonho de ser alguém um dia? Pelos bens materiais? (vá lá algumas profissões, mas, sei lá... tem gente que ainda sonha em ser professor!)
É o amor, só pode! Bichinho dos infernos! Faz o cara escapar da realidade e se imaginar em outra dimensão - mesmo vivendo num bueiro. O que fica valendo é algo que ninguém vê, só ele, o dono do coração apaixonado.
Precisa-se de muita fé para não confundir isso com loucura. Alguns confundem. Outros tornam-se mesmo loucos.
E o mundo continua navegando espaço a fora, carregando em seu bucho esse tipo de habitante.

segunda-feira, outubro 17, 2005

Canção de ninar

O que há na cabeça das mães ao cantar "Boi da cara preta" pro filhote dormir?
Essa música, lembro-me bem, causava-me espanto. Pois o boi da cara preta não era um mero boi. Era algo parecido com um diabo das trevas, algo que iria surgir no meio da noite, raptar meus poucos anos e me levar para longe de casa!
Como alguém consegue dormir ao som de um troço desses? Se consegue, terá certamente pesadelos. Talvez Freud explique. Talvez seja uma forma das mães incutirem no subconsciente de seus rebentos o mal do mundo - aquilo que, um dia, todos nós encararemos.
Gostaria de saber em qual lugar do mundo surgiu essa canção. Provavelmente da Transilvânia. Ou da cidade Natal de George W. Bush - o atormentado.
Sim! Deve ele pensar que o boi da cara preta ronda os corredores da Casa Branca quando as luzes se apagam. O perigo é invisível, está em toda parte e pode surgir a qualquer momento.
Ai, meu Deus! É fazer uma prece, tomar um bom copo de leite e torcer para que o terror não atinja nossas casas.
Certo, Mr. President?

quinta-feira, outubro 13, 2005

Pequenas coisas

Correria, trabalhos amontoados, prazo curto, PC travado, calor infernal, dor nas costas, dor nas juntas, dor de cabeça!

Chegou o fim do dia. Três quarteirões ao sul, ponto de ônibus - que nunca chegava! Espera, espera, espera e nada!

- Ah, meu Deus! seja legal comigo e faz passar uma mulher bonita pra alegrar o dia!

Então, cruzou por ele uma senhora de mãos dadas com uma garotinha que mal sabia andar... Quando a baixinha o viu, arregalou os olhos e foi andando entortando o pescoço para não parar de olhar - como se ele fosse a coisa mais extraordinária que ela havia visto em toda sua (pequenina) vida.

He! Ele nem se incomodou de ir em pé no busão lotado para casa.

segunda-feira, outubro 10, 2005

Isso é que é frase de impacto!

O meu lápis vibra quando eu contorno as minhas favoritas e eu,
como qualquer hóspede vulgar do 70 sul (o Hospício) digo em surdina, como o velho Miguel Ângelo: - Fala, diabo! ... Me chama assassino!

J. Carlos, 1918.

quinta-feira, outubro 06, 2005

O Bispo de Cabrobó

Descontente com a situação, o bispo resolveu fechar a boca e ficar sem comer.

"Se não escutam os gritos que dou, de que serve mantê-la aberta?
Que, pelo menos, ouçam meu estômago rosronando de dor."

O bispo é sábio, sabe que o homem só caminha depois de um empurrão abrupto.

"A fome comove mais do que tudo. O presidente, ele próprio, sabe do que estou falando".

Onze dias se passaram. Enfim, ouviram e mandaram para Cabrobó o ministro.

"Agora meus colegas, os outros bispos e padres que me criticaram, agora eles sabem que meu ato não foi de suicídio lento. Não me rebelei contra as leis da Igreja; o que fiz foi seguir o primeiro e maior de todos os mandamentos: acreditar, acima de todas as coisas".

terça-feira, outubro 04, 2005

Miragem

Fim de semana, estava voltando de busão para casa. Havia um garotinho sentado do meu lado.
Chegamos na Avenida Paulista, aquela maravilha - prédios bonitos, gente arrumada, carros bacanas... Mas, uma atração se destacava.
Quando a viu, o garotinho não pode tirar os olhos. Noooossa!
O ônibus seguiu e o guri quase quebrou o pescoço: queria descer e continuar olhando.

Deve ser bom ter oito anos no séc. XXI. Na minha época de moleque, a gente não via a bunda da Scheilla Carvalho estampada pelas ruas.

segunda-feira, outubro 03, 2005

Reclamação

Ah, cara...
O mundo deveria ser um gibi.

A mais podre de todas

De vez em quando você se depara com uma comunidade grotesca no Orkut.
Gente que gosta de fazer isso, ver aquilo etc.

Mas ontem, encontrei a pior de todas:
"Eu amo o Alexandre Frota"

Jesus, acabe logo com este mundo!

domingo, setembro 25, 2005

Pedala Rubinho!


Vai, meu garoto!
Pega essa carroça vermelha e transforma ela num foguete!

sexta-feira, setembro 16, 2005

Teste

Vê se você acha que o seguinte diálogo é coisa de criança:

Fone Bone: "Vocês dois são de matar! Não têm um pingo de vergonha por lucrar com os temores e as paranóias dos outros."
Phoney Bone: "Não, não temos a melhor vergonha. A gente só está dando o que eles querem. Se querem ser vítimas, que sejam!"
Smiley Bone: "Ninguém se sente seguro a menos que tenha alguma coisa contra o que estar seguro".
Phoney Bone: "Exatamente! As pessoas gostam de ser vítimas! Há uma certa inabalável superioridade moral nessa condição..."

É ou não é legal, apesar se ser um pouco "filosofia barata"?
Então, meu véio! Vai ler quadrinhos!

quinta-feira, setembro 15, 2005

Os burrocratas

Quem conhece São Paulo sabe que virou uma espécie de marca registrada da região as barraquinhas de livros da Paulista e Rua Augusta. Pois é, agora não tem mais isso não.

Na verdade, não cheguei a prestar atenção e conferir. Mas, segundo uma reportagem da Folha de S. Paulo de hoje, a prefeitura retirou todos os ambulantes no dia sete passado, alegando que eles não possuiam um tal "Termo de Permissão de Uso" (TPU).
Até aí, vai - apesar de eu achar que o CIDADÃO poderia muito bem retirar esse Termo sem precisar ser "convidado" a se retirar.
O grave vem agora. Deixo com a jornalista Daniela Tófoli, dona da matéria:

"Há 12 anos na Augusta, os dez vendedores tiveram as obras apreendidas. Adriano Lima, 31, ficou com alguns livros em casa, mas teve raridades levadas, como um sobre a prostituição de São Paulo escrito por Guido Fonseca e um exemplar de 1977 autografado por Hilda Hilst. Ele tentou barrar a ação dos guardas-civis. Acabou algemado e citado na delegacia num termo de crime contra a administração pública e resistência".

O rapaz que foi algemado comenta: "Os guardas não sabem a diferença do CD pirata para o livro raro usado. Acham tudo contrabando, nos trataram feito marginais."

A burocracia é burra por isso. Transforma tudo numa pasta e impõe a mesma regra para coisas completamente diferentes.
Depois a Polícia fica revoltada quando a população iguala todos os seus membros à condição de ladrões, assassinos e bandidos. Eles fazem o mesmo!

Na verdade, todos nós fazemos ... E é preciso um exercício gigantesco para evitarmos essa atitude. É engraçado, pois a cultura ocidental é baseada no individualismo. Vide o Juízo Final: cada um é responsável pelos próprios pecados e é julgado somente por eles. Meu pai, por exemplo, não vai para o Inferno por causa das minhas cagadas.
Por que será que essa contradição acontece?
Deixa eu parar, senão vai começar a feder.

Na conclusão da matéria, a repórter diz: "O material recolhido, explica a assessoria da subprefeitura, pode ser recuperado se os livreiros comprovarem que são donos dele, mas ainda não há previsão para a abertura de inscrição para conseguir o TPU".

Acho que esse pessoal vai ter de sobreviver de outro jeito.

quarta-feira, setembro 14, 2005

Sobre o Partido dos Traidores

Já devem ter feito esta analogia do título. Mas, repito aqui, pois ela é mais que verdadeira. Afinal, jamais um partido traiu tanto a confiança de seus eleitores quanto o PT.
E olha que não foram poucos os "trouxas". Lula foi o presidente mais votado da história brasileira. Enganaram milhões. Tapearam gente que enxergou num metalúrgico a tal esperança que venceria o medo. Negaram sua história. Negaram a trajetória de rebeldia de seus próprios membos. Acabaram traindo a si mesmos.

Zé Dirceu era guerrilheiro. Agora, apesar de ter se transformado no odiado-mor da nação, não perde a pose e - pior-, ainda comanda o partido. Sinal de que o restante do PT, se não é ladrão, é frouxo. Eu já tinha feito minha malinha (ôpa! mala no bom sentido) e saído fora.
Genoino foi preso na ditadura militar... Agora, acha que todo mundo é besta e alega não saber de nada. Ou ele não tem cérebro ou habita outra dimensão, não é possível...
E o Lula... Vocês se lembram da posse? Uma loucura! O povo em catarse! Quase derrubaram-no do carro de tanta euforia... Que decepção. Admiro de o presidente ainda ter tanto apoio... É gente gritando seu nome por onde quer que ele vá; o MST evitanto bater de frente; os políticos morrendo de medo em falar no impeachment... Quando vai vir um chutar o balde e dizer boas verdades, sem rodeios?

Maluf, ACM, Valdemar Costa Neto, Roberto Jefferson... Olha os amigos do PT! Corja que comandaria qualquer quadrilha desse mundo. Deu a mão para bandido, perdeu o braço!
Quietinhos também estão os intelectuais que sempre apoiaram o Lulalau: Chico Buarque, Leonardo Boff, Antônio Cândido e por aí vai...

Partido dos Traidores, lembre-se a quem está reservado o último círculo do Inferno.

segunda-feira, setembro 12, 2005

Sonho de consumo


Queria ver um desenho-animado dirigido pelo Tim Burton, com traços do Tim Sale e trilha sonora com músicas do Alice in Chains.

Aliás, entre aí:
www.timburton.com
www.timsale.com
www.aliceinchains.net

sexta-feira, setembro 09, 2005

Quadrinhos e mais quadrinhos

Caramba! Porque sou pobre?
Passo nas bancas e livrarias e fico doido! Tanta coisa bacana, pedindo para ser levada para casa e debulhada até criar orelhas e amarelar...
A questão é que, além do dinheiro ser pouco, quadrinhos virou produto luxuoso. As edições estão cada vez mais bonitas. As capas, o papel, os desenhos estão cada vez mais chamativos. O roteiro, verdade, nem sempre colabora, mas isso já é outra história...
Vá as bancas e pergunte o preço de uma edição mensal do Tio Patinhas: R$ 5,50! Algo mais, digamos, refinado, As Obras Completas de Carl Barks: R$ 14,95! E esta sai de quinze em quinze dias. Portanto, 14,95 x 2 e você percebe que tem de rebolar muito para adquirir uma obra-prima com o salário do mês.
Se fomos comentar os quadrinhos publicados em livrarias, então... Só como exemplo, a Opera Graphica lançou a Bizarro Comics, uma sátira aos personagens da DC feita por mestres do underground norte-americano. Interessantíssimo, delirante, apaixonante e extremamente caro: R$ 69,00!!! Não tem bolso que agüenta... Até os sebos (o cúmulo!) viraram elitistas.

O que ferra nos quadrinhos é o vício. Quadrinhos vicia que nem novela. O cara fica condicionado a consumir aquilo. Afinal, não pode deixar para depois, pois os dias passam e as edições somem das bancas. Não é à toa que a maioria das histórias não terminam numa só edição - alongam-se por vários números... O leitor fica sempre no suspense, a história nunca se completa e, por isso, o vício nunca acaba.

Uau! Acho que exagerei... Nem todos os gibis são assim hoje em dia. Mas o exagero é válido, pois ressalta os pontos principais e este é um deles na indústria dos quadrinhos. Porque, no Brasil, tirando a Turma da Mônica e as editoras que trabalham em livrarias, as HQs não conseguem se solidificar?

A resposta fica para um outro dia. Deixa eu pensar.
Aliás, essa Turma da Mônica tem mais coisas do que sonha nossa vã filosofia. Como ela consegue?????

sexta-feira, setembro 02, 2005

Notas paulistanas 4 - O apaixonado arrependido

Vindo para o trabalho, dentro do busão, passando pela Paulista, não me lembro em que altura, deparo-me com duas moças segurando uma faixa no canteiro central. Mais ou menos assim:

(coração vermelho desenhado) "Por favor, me perdoa!" (coração vermelho desenhado)

E dentro do coração, algo do tipo: "Ele te ama".
Automaticamente, depois de ver isso, logo balancei a cabeça, negando tamanho vexame público.
Um senhor que estava do meu lado (povo sem educação, ninguém se levantou para ele sentar) olhou para mim e deu risada, dizendo: "É cada coisa que aparece!"

E aí, meus caros e caras... A guria deve ou não voltar para o fulano da faixa?
Eu e o senhor do ônibus fomos unânimes: NÃO! Além de ter aprontado com a menina ( ^..^ ), o cara faz ela passar vergonha na mais conhecidade avenida do país! Cagou na entrada e, provavelmente, na saída!!!

***

Mas o senhor do busão disse uma coisa certa: "Pelo menos ele deu emprego para as duas mocinhas que estão segurando a faixa". Eita Brasil!

quinta-feira, setembro 01, 2005

Outra dica

Três norte-americanos decidiram, por diversão, seguir os passos do furacão Katrina.
Li pouco, mas parece ser bacana - esses blogs "em tempo real" sempre são, pois funcionam como uma espécie de "por trás da notícia".

Acesse: http://dancingwithkatrina.blogspot.com

Em especial, leia a homenagem às vítimas do furacão.

terça-feira, agosto 30, 2005

30 de agosto

Há 23 anos atrás, nasceu um menino com a orelha esquerda torta.
Tudo era rasoavelmente no lugar, mas a orelha... Parecia um leque aberto e colado de lado na cabeça.
E era só a esquerda. A direita era grande, contudo, bem posicionada.

Quem deu um jeito no problema foi a avó: pegou a ponta da orelha feia, grudou um esparadrapo e prendeu-a na cabeça. Ficou lá de vez.

Bom, o menino cresceu. E sabe como é que é... Para toda ação, existe uma reação blá blá blá, blá blá blá. A orelha foi para o lugar, mas o resto pendeu e ficou desajeitado.
É por isso que as coisas são como elas são atualmente.

Eita peste, que desculpa esfarrapada!

sexta-feira, agosto 26, 2005

Notas paulistanas 3 - O ritmo da cidade

Quem estudou em faculdade pública estranha. O Mackenzie (e creio que todas as particulares de Sampa) parece um shopping center. Não tem RU, e sim praça de alimentação - com várias lanchonetes.

Lógico que é caro. Na UEL, pagava-se R$ 1,70 pela refeição. Tínhamos de enfrentar uma fila de mais de duas horas. Nem sempre eu tinha paciência. Mas, era curioso: devido à demora, o almoço tornava-se uma espécie de happy hour. O pessoal de todos os cursos juntava-se num só lugar. Universos tão distantes quanto Medicina e Jornalismo (quem conhece a UEL sabe) tavam lá, sofrendo pelo mesmo objetivo. Enquanto isso, olhavam-se, conheciam-se, conversavam. Se a Biblioteca Central é o cérebro da UEL, o RU é o coração - lugar pelo qual todos tem de passar para se manter em pé.

No Mackenzie, é fast food. Você pede, você paga, você recebe e em dez minutos come. É rápido, prático e funcional, como tudo parece que deve ser aqui nesta cidade gigantesca, onde o tempo não só é dinheiro como também a razão existencial das pessoas.

Acho incrível a impaciência da galera, principalmente no trânsito. Chega até a ser engaçado. Quando não tá engarrafado, todo mundo anda a mil por hora. Isso dura uns dois minutos, pois logo tudo pára e o cara começa a surtar dentro do carro. Aperta a buzina, reclama, bufa, põe as mãos na cabeça indignado. O trânsito abre e ele acelera - para ser o primeiro a chegar no próximo congestionamento.

Parece aquelas experiências do ratinho condicionado a cumprir determinada tarefa. O objetivo do paulistano (ou do não paulistano que já entrou no "clima") é andar, é ver algum espaço na sua frente. Quando não há, aperta a buzina - tipo o ratinho que aperta o botãozinho para ganhar comida. Como se a buzina fosse dar-lhe alguma coisa além de uma perturbação extra.

É o ritmo da cidade. Tudo é projetado para correr. Mesmo que fique mais feio, mesmo que fique insuportável, confuso e desengonçado.

Tem nada não. Um dia inventam o teletransporte. Mas, por enquanto, ande depressa!

quinta-feira, agosto 25, 2005

Recomendado!

Descobri agora pouco. Parece ser interessante:

www.wittyworld.com

Vida

- 1h30 para ir;
- 30 min de almoço;
- 8h em frente ao computador;
- 1h30 para voltar;
- 2h arrumando casa, roupa e comida;
- 15 min para o banho.

Além disso, sexta à noite e sábado de manhã tem pós.
Mas tá tudo lindo!

terça-feira, agosto 23, 2005

4 anos!

Como ela disse ontem: "Se fosse um filho, já tava andando...".
Eu retruquei: "Cê é doida! Já tava na escolinha, isso sim!"

É onde nós estamos, nenê. Aprendendo.
E caminhando também.

Parabéns pra nóis!

Essa eu queria ter inventado!

Nome de uma livraria em Recife:

"Pernambooks".

segunda-feira, agosto 22, 2005

Bone

Umas das boas coisas (ótimas, na verdade) de se trabalhar numa editora de quadrinhos é que posso pegar livros emprestado.
Sempre quis ler a historinha deste figura de braços abertos aí em cima: Bone, do norte-americano Jeff Smith.
A obra foi lançada nos anos 90 e, só isso, já representa muito. Afinal, esta não foi uma década muito feliz para os quadrinhos dos EUA: o estilo Image empestiava tudo.
Assim, Bone já saiu marcante - algo diferente em meio a tanta padronização.
É difícil falar mal da história. Tudo começa quando os primos Fone, Phone e Smiley Bone são expulsos de Boneville. A partir de então, eles encontram uma gama enorme de personagens: a encantadora Espinho e sua avó, as criaturas ratazanas, o dragão vermelho, os gambazinhos - e por aí vai. A maneira como estes personagens se relacionam é o grande charme da história.
Tem de tudo um pouco: aventura, romance, suspense e humor. O ritmo é ótimo, os desenhos são fabulosos e a trama prende o leitor.
Não é fantástico, como já li alguns dizendo. Mas é uma HQ bem acima da média, que encanta só de folhear as páginas. Lendo então, é prisão na certa!
Todos sabem que sou meio lento em tudo, inclusive para ler. Mas, vejam só: já estou na quinta edição de Bone em menos de uma semana!
Sinal de que é bom.

quarta-feira, agosto 17, 2005

HQ Mix


Cheguei atrasado, mas cheguei ao 17º HQ Mix.

Engraçado... Precisava achar o Sidney Gusman, do UHQ, para lhe entregar um lançamento da editora. Só o conhecia por fotos.
Hehe! Mal entrei na choperia do Sesc Pompéia (lugar bacana!), o Serginho Groisman anunciou: "Melhor jornalista de HQ... Sidney Gusman, Universo HQ!"
Aí ficou fácil.

Noite boa! Encontrei uma galerona que só conhecia nas telas do PC ou nas folhas dos jornais: André Diniz, Laudo, Gonçalo Júnior, Luiz Gê (meu futuro professor), Gabriel Bá, Fábio Moon, Paulo Caruso, Samuel Casal, Elza Keiko, Heitor Pitombo, o já citado Sidney, Sérgio Codespoti, Marcelo Naranjo e uma pá de fanzineiros (alguns com muita coragem!). O Marcelo, inclusive, me deu uma carona na hora de vir embora. Eita, Merdão... Já começou folgado!

Rapaz! Achei que o André ia me bater! Desta vez, escapei!

***

Se você quer conferir os premiados deste ano, entre no site dos organizadores: www.hqmix.com.br

sexta-feira, agosto 12, 2005

Notas paulistanas 2 - Metrô

O metrô...
Nada me dá tanta sensação de teletransporte quanto este meio de transporte tão usado aqui na megalópole paulista.
A gente entra para baixo da terra na Vila Mariana e, dez minutos depois, saimos de frente à Igreja de Santa Cecília!
Digo teletransporte porque no metrô você não tem paisagem. O trem entra em movimento e você não enxerga mais nada. Do lado de fora, só um muro cinza.
Então, você chega ao seu destino, sai da toca e... É um mundo diferente! Ainda mais aqui em São Paulo, onde cada canto é diferente do outro.

Tá certo que em alguns lugares ele sai da terra. Mas isso é outra história.

quinta-feira, agosto 11, 2005

Notas paulistanas

Donde estou morando aqui em São Paulo (Cambuci) até meu trabalho (Perdizes), fico 1h30 no busão.

Ida + volta= 3h

De Martinópolis (cidade natal) a Londrina (onde estudei), o ônibus levava 2h45! (descia em Prudente e, de carro, ia para casa. O tempo já esta contabilizado aí).

Do Cambuci a Perdizes, não são mais que 15 km.
De Mart até Londrina, são 180 km!

Eita São Paulo... Ninguém aí quer me dar um helicóptero?

***

Como tudo tem seu lado bom...
Pela linha Pres. Prudente/Londrina (ou vice-versa) eu pagava R$ 23.
Por sua vez, a passagem Lapa/Ipiranga (circular que uso aqui em Sampa) custa R$ 2!
Assim, gasto 1h30 de maneira muito mais barata!

segunda-feira, julho 25, 2005

Para ela que queria ser psicóloga

Freud explica. Mas não resolve.
Quem resolve é você mesma.

quinta-feira, julho 21, 2005

O novo técnico do Palmeiras



Será coincidência ou não o fato do Parmera ter goleado o Figueirense ontem? Um técnico de futebol tem condições de acertar um time em três dias de trabalho?

O Leão chegou como o salvador da pátria, mas estes 4 a 1 ainda não me disseram muito. Aconteceu que os jogadores sentiram-se também renovados com a chegada de um novo técnico - ainda mais um cara que vinha sendo aclamado desesperadamente pela torcida. Entraram no vácuo do professor felino albino.

Quero uma seqüência de partidas, para ver e ter certeza. Sei lá, ando descrente com soluções miojo. Vide nosso presidente. O do Palmeiras não. O do Brasil.

segunda-feira, julho 18, 2005

Tava pensando...

Eu, robô poderia ser o nome dum filme sobre o Roberto Justus.

Hehehe!

Troca

Dá uma olhada no lado direito... aí no canto superior.
Viu meu nome? Mas não é isso o que tenho de trocar.
É o que está embaixo.

Vida nova, amigos!
Sampa nos espera!

domingo, julho 17, 2005

Eu, robô

Este foi o outro filme que vi no fim de semana. Já tinha ouvido várias pessoas falando bem dele.

Realmente, é um bom filme. Principalmente por se tratar de uma história inteligente e bastante simples, coisas que aprecio deveras quando estão casadas. Nada de mirabolices, como em Matrix 2 e 3. Além disso, o roteiro não fica ruminando coisas que o espectador já entendeu. Disse o que deveria ter dito. Calou o que deveria ter calado.

Fiquei com vontade de ler o livro. Pra comparar, entre outras coisas, o que foi e o que não foi adaptado para o Will Smith e suas piadinhas. Aliás, Oscar para ele: as maiores orelhas de Hollywood.

Dúvidas: o final é aberto ou eu que não captei direito? Por que o título do filme: "Eu, robô"? Quem é o "eu"? O detetive; o Sonny ou nenhum dos dois - uma espécie de título panorâmico, como "Guerra e Paz", "A Rosa do Povo", etc?

sábado, julho 16, 2005

Colateral (apontamentos livres)

. É um filme do Michael Mann, o mesmo cara de O Informante - por isso, estava curioso pra ver.
. A trilha é muito boa.
. As mortes são glamourosas. E eu não sei se isso é bom ou ruim.
. O Tom Cruise tá grisalho.
. A promotora é linda.
. Os táxis de L. A. são diferentes dos de N.Y.
. O primeiro morto é um mexicano. O segundo, um anglo-saxão. O terceiro, um negro. O quarto, um oriental. O quinto, um outro negro - porém, mulher. Mas ela não morre.
. Cada figurinha aí do item de cima representa uma parcela da população de L.A.
. Esta população está sendo dizimada por um doido que chega do nada causando o terror.
. O doido, aparentemente, não é árabe, apesar de ter barba grisalha como o Bin Laden.
. Tom Cruise é o Superman. Seu personagem levanta de um capotamento automobilístico praticamente intacto e logo começa a correr feito um louco.
. O mocinho salva a mocinha - e mata o bandido.
. Detalhe: o mocinho havia conhecido a mocinha nas primeiras cenas do filme. O espectador, que não é burro, logo percebe: "Aí vai ter cascata". E é lógico que teve mesmo.
. O mocinho só cruza o caminho do bandido por não ter se fingido de surdo.
. O metrô de Los Angeles funciona de madrugada.
. O policial dedicado morre, enquando o preguiçoso vai dormir numa boa.
. O policial dedicado tinha um gelzão no cabelo e um cavanhaque. Lógico que era latino - pois é assim que Hollywood nos retrata.
. Já pensou se eles conhecesses o Latino de verdade: "Hoje é festa, lá no meu ap!"? O que seria de nós?
. Tom Cruise é o Superman e o Incrível Hulk juntos: ele toma um tiro na cabeça e sai numa boa; além de embarcar num metrô em pleno movimento, segurando na alcinha.
. Se o tiro foi de raspão, então o Jamie Foxx é vesgo!
. Realismo não é um estilo muito aconselhável de se praticar em Hollywood. Cedo ou tarde, na entrada ou na saída, eles sempre acabam borrando as calças.
. Ademais, o filme é meia bosta. Nota 5 e meio.

quinta-feira, julho 14, 2005

Parabéns!

Yes!

Sucesso!
É o início duma nova fase!

Teste

Meu povo, o chifrudo aí em cima é só pra ver se eu consigo pôr uma imagem aqui no Eita Peste!
Inté

domingo, julho 03, 2005

Blog dos outros

Os dois blogs que mais acesso. Fica fácil para mim, pois ambos começam com "si", a úlima das notas.

www.simonecampos.blogspot.com

www.sitioterravermelha.com.br

O Sítio é o blog do Domingos Pellegrini, escritor londrinense mais que conhecido em todo Brasil. Dele, li dois livros. O romance Terra Vermelha e a coletânea de contos O Homem Vermelho. Ambos fenomenais. Ainda mais para quem viveu e gosta de Londrina.

O Blog Sybila, da Simone Campos, é meu preferido. Na minha opinião, um dos mais legais do país. Da autora, tentei achar No Shopping, seu livro de estréia. Mas não achei. Nem lá Livraria Cultura lá de Sampa.

sexta-feira, julho 01, 2005

O estilo do Féferson

Vai aí um exemplo sobre o que eu quis dizer no post abaixo, a respeito as manhas do deputado Roberto Jefferson.

Já repararam? Ele não diz "minha ex-mulher". No lugar, fala "a mãe de meus filhos"... É um nobre decadente, este Féferson. Esperto: tira o possessivo (minha) de "algo" que já não é seu e transforma a ex em sagrada (afinal, mãe é mãe). E não se trata de qualquer santa, e sim a que gerou os filhos dele! Felomenal!

Diferente do Valdemar Costa Neto (é este o nome do pres. do PL, né?) que transformou o ex-casamento em notícia do Jornal Nacional. Aprende, malandro!

Agora que eu tô vendo. O Jefferson associou-se ao Collor porque ambos gostam de consoantes repetidas.

Coisa de política, caso de polícia

Já passou da meia-noite, mas este post é sobre o dia anterior, data em que Roberto Jefferson depôs na CPI dos Correios. O Eita Peste! tava precisando dum comentário político para virar cabeça. Nada a ver.

Bom, assisti partes, repito: partes - pela TV Câmara.
Esse Roberto Jefferson é, no mínimo, encantador. Explico.
Já havia visto seu depoimento na Comissão de Ética. Lembrava, remotamente, de que o nome Roberto Jefferson estava envolvido em algo sujo no passado. Minha consciência política beira à de uma ameba. O tal Jefferson tava ligado ao Collor... Vige!, coisa feia!
Mas, o cara me surpreendeu desde então. Um ator, macaco velho; sabe dosar todos os artifício para arrebatar a platéia - na sua mistura de discurso forte com descontração, com ataques, com defesa à honra, à alma do "seu partido" e etc.
Mas havia algo mais ali. O homem estava, ou pelo menos parecia muito estar, falando a verdade.

A melhor peça em qualquer jogo, principalmente no jogo político, é a verdade. Afinal, não há força maior, embora alguns aleguem que haja. Quem fala a verdade tem uma espécie de deus junto de si, superpoderes diante dos quais tudo cai.
E foi caindo. Dias depois, Zé Dirceu vazou da Casa Civil. O pessoal nas ruas brincava: "E agora, quem vai governar o Brasil?" Além disso, a situação do senhor Marcos Valério está se complicando. Entre outras coisas que eu pouco sei.

Na CPI, as forças antagônicas eram facilmente distinguíveis. Os deputados do PT tentavam de qualquer maneira associar Jefferson ao doidinho lá que pegou propina, 3 mil reais. Os da oposição, queriam extender a dimensão da sacanagem, dizendo que ela não morria só neste caso de suborno. Na verdade, este era parte de um jogo político, uma Contra-Reforma do Governo para denegrir o nome do presidente do PTB e disfarçar outras acusações graves. Oras, quem está com a verdade?

É simples. Quando uma discussão se prolonga por mais de 10 minutos, é porque ambos os lados estão certos - mas ambos estão usando a verdade da forma leviana, isto é, somente uma das metades. As meia verdades não tiram a razão de ninguém! Todo mundo tá certo, pois todos estão no mesmo patamar. Alguns fazem isso inconscientemente. Outros, por teimosia. Outros de propósito - e aí mora o perigo.

Eis onde conta o poder de Jefferson. Trata-se de um homem inteligente, embora gaste-a, ao que me pareceu, num vício bastante comum em Brasília: o jogo político. Quem joga quer ganhar. Mas nem sempre quem ganha merece vencer. No esporte, não há problema algum nisso, afinal, tudo não passa de uma simulação, não custará nada a ninguém (nada grave, pelo menos - dinheiro é feito, entre outras coisas, para se jogar fora). Contudo, em outros assuntos - como a política, a geopolítica, a justiça - a vitória deve ser de quem a merece. Ela deve vir sem jogos.

Roberto Jefferson bate de goleada em qualquer deputado do governo. Ambos têm verdades nas mãos, mas a de Jefferson se amplifica, pois o momento em que ele a revelou foi milimetricamente calculado. Ele juntou dados, entrou em contato com várias pessoas, fechou o cerco até enlaçar tudo e todos. Aí foi só despejar - com talento de político calejado, com as manhas aprendidas em mais de 20 anos de Brasília véia de guerra. Esperto, não ficou passando imagem de santo. Em seu próprio depoimento, condenou-se várias vezes. Revelou os bastidores da política - e todo mundo adora bastidores. Usou frases diretas. Enfeitou com termos pouco pronunciados pela polidez política (dá-lhe letra P). Atacou quem o povo odeia (Zé Dirceu). Defendeu quem o povo ama (ainda, o presidente Lula). Culpou a ABIN, como se aquilo fosse o FBI, coisa de thriller norte-americano, Hollywood... Enfim, um espetáculo!

O que eu penso? Ora, são todos culpados! Inclusive o Jefferson, inclusive o presidente - estes dois, pelo mesmo crime: omissão; no mínimo. Mas, sei lá, não sei se o que vou dizer é pensamento conformista... O que acontece é que nos três poderes, tanto na vertical quanto na horizontal, todo mundo tem um pedacinho do rabo preso. Sem nenhuma excessão.
O jeito é cercar com grades a capital do país? Acho que não, afinal, quem põe os trapalhões lá dentro é o resto do país. Eu inclusive, que votei no Lula - e no Zé Dirceu... Mas isso fica pra próxima.

Dúvida (dúvida mesmo, sem malícia): Pq o Roberto Jefferson tava com o olho machucado?

Ah... Último comentário: o meu terceiro colegial era mais bem educado e comportado que muitos dos nobres senadores e deputados da CPI. Neste quesito (harmonia, talvez) parabéns ao deputado Gustavo Fruet, do PSDB paranaense - o mais calmo de todos

quinta-feira, junho 30, 2005

3 em 1

O dia de ontem, 29 de junho, é sempre marcante por três coisas:

1) Aniversário do Keno Dan Rosa, o novo "Senhor dos Patos". Tá completando 51 anos. Vida longa ao novo rei!

2) Viva São Pedro! Acho que foi ele quem mandou aquele toró no jogo Brasil 4 x 1 Argentina. Praquê? Eu não sei! Não entendo nada dos propósitos dos santos, se é que realmente foi ele.

Aqui em Mart (Martinópolis), é feriado dia 29/06. Tem festa de São Pedro no Texas (Teçainda) - vulgo "18", por ficar a esse tanto de quilômetros da cidade. Todo ano, nesta festa, a casa de minha vó se enche de parentes, que vêm dos recantos mais remotos só para matar saudade (remotos mesmo. Veio gente da Austrália)! Outro pessoal que chega são os irmãos Bergamini, donos de supermercados lá em São Paulo. Vêm de helicóptero. Tem ano que deixam o povo dar uma voltinha.

3) Aniversário do meu tio Maurinho, morto aos 12 anos, bem antes de eu nascer. Dizem que sou um pouco parecido com ele. Um dia descubro. Mas espero que demore um bom tanto.

No post de baixo...

Chamaria-se não, asno!

Chamar-se-ia!

Isso porque sou filho de professora de português...
Definitivamente, meu caro: "Você está demitido!"

quarta-feira, junho 29, 2005

O Aprendiz 2

Fiquei com uma dúvida. Até pensei em criar uma comunidade no Ooorkut. Chamaria-se:
"Será Roberto Justus um cyborgue?"

O olhar frio, os gestos calculados, o cabelo bem arrumado, as palavras duras e insensíveis... Sem falar no terrível "Você está demitido!"
Evidências demais; diria até "elementar".

Mas o Sherlock pode ficar sossegado. Não vou roubar bordão de ninguém; afinal, já tenho os meus. Além disso, o que me impede de afirmar ser o Justus o T-1000 é, ou melhor - foi - a Eliana e os dedinhos, a Galisteu... E a atual, a Ticiane Ribeiro - filha da garota (atual vovó) de Ipanema!

Um homem de coração, praticamente um verdadeiro amante das mulheres - um Don Juan publicitário! Se bem que, tô pensando aqui, pra dar conta de tanta mulher bonita só mesmo sendo uma máquina! Hehehe... Eita peste!

Eu, se fosse para O Aprendiz, não passaria nem na porta. O Justus iria olhar pra mim e dizer:
"Merdão? Você, com este apelido, ESTA DEMITIDO!"
Pelo menos eu já ia cagando logo na entrada, e não no meio ou na saída como a galera que tá lá dentro...

Brincadeiras à parte, é preciso admitir: O Aprendiz, apesar do mundo cão, é o mais interessante dos reality shows!

Pena que na Record não dá pra animar muito. Logo depois vem o Show do Tom e seu podre Concurso de Piadas... Mas isso já é uma outra história.

sábado, junho 25, 2005

Brasil 3 x 2 Alemanha

Alemanha, nossa maior freguesa...

O que me deixou impressionado foi a calma que eles mantiveram até o fim do jogo. Faltava cinco minutos pra acabar e eles tavam tocando bola, o goleiro lá trás fazendo cera pra bater o tiro de meta... Era o calor? É o jeito alemão de ser? Ou eles desencanaram do jogo? Coisa estranha...

Acho que exagerei aí embaixo.
Bom para nós!

Brasil 2 x 2 Alemanha (intervalo)

Quero ver se o Fair Play da Fifa resiste a este segundo tempo.

quinta-feira, junho 09, 2005

Caverna do dragão

Não se sabe se é verdade ou se mentira, nem se sabe como, nem onde, mas ele descolou uma bolinha de LSD. Ou era chá de fita, de cogumelo... Sei lá!
Tomou e foi para a balada. Nada aconteceu. O tempo foi passando e nada nada nada. Resolveu esperar sentando.
Foi quando, bem na sua frente, de pé, unicórneo e pálido - apareceu o Vingador, fitando-o odioso!
Ele saiu vazado, ligeiro para casa, lugar aonde nunca mais voltaria, segundo o próprio Vingador.

Putz...

Devolveram o nosso 3 a 1 de BH.

Estava um pouco cansado do Galvão, mudei de canal rapidinho... No Superpop tava passando desfile de biquini... No Gilberto Gordo, advinhem: desfile de langerie!

Eita Brasil: é futebol, mulher pelada... Só faltou o samba... Mas hoje a noite foi de tango argentino!

Parabéns aos hermanos, já classificados para perder na Copa da Alemanha.

Ê Adriano, não é todo dia que dá pra ser carrasco da Argentina.

quarta-feira, junho 08, 2005

Argentina 3 x 0 Brasil

Intervalo de jogo e a coisa tá feia!
Sobrando pancadaria pra todo lado!

Mas a Copa América nos traz boas lembranças...

Deixa eu voltar pra TV.

segunda-feira, junho 06, 2005

Brasil 4 x 1 Paraguai

Espetáculo visual!

Fazia tempo que eu não assistia um jogo do Brasil tão empolgante! Acho que o pessoal tava inspirado pelos 35 anos do Tri...
Ronaldinho Gaúcho + Robinho = inferno astral no Paraguai!
Pedala Robinho!, que é pênalti! Desde a primeira pedalada famosa (aquela no Rogério)...
Kaká também tava beleza. Até o Zero Berto desencantou e marcou um golaço!

Mas se visualmente o jogo foi mil maravilhas, no áudio...
O Galvão estava no auge da xaropice!

1. Logo no começo do jogo: "O Parreira tem que se virar depois, porque o Ronaldinho Fenômeno tem lugar em qualquer seleção do mundo!"... É coisa de amor eterno, só pode... Do tipo Roberto Carlos (o cantor) e Maria Rita (a esposa do cantor).
2. O R. Gaúcho não podia fazer uma firula que fosse, ele reclamava: "Exagerooou!"
3. O Gamarra foi o mais elogiado em campo! Tudo era o Gamarra! Você é corintiano ou flamenguista, Galvão? Na verdade, é porque Gamarra tem dois Rs... Fazia ele se lembrar do Rrrrrronaldinho!
4. E no finalzinho, essa foi a melhor, apoteótico. Ele queria saber do Falcão e do Casagrande o que eles acharam da partida. O Falcão logo respondeu. Aí o Galvão emendou pro encaracolado: "Foi bom pra você, Casa?", que respondeu: "Pra mim foi ótimo!"... Hehehehe! O Arnaldo e o Falcão ficaram segurando vela! Porque pintou um clima! E em rede nacional!

Ronaldinho 9, te cuida, meu garoto... Deixa de ser capa de revista de fofoca e volta pros cadernos de esporte!

sábado, junho 04, 2005

Mestre da concisão

Tava procurando no Orkut a escritora Simone Campos. Não encontrei, mas achei no meio do caminho uma outra S.C., bonitinha. Entrei pra ver as fotos da guria: nem era tanto, mas uma me chamou a atenção. Não a foto em si, a legenda:

"Dê, Dani, eu, Bia e Dê, na despedida da
Cá... só q a Cá não está aí...rsrs"
Sensacional!
O Graciliano Ramos ia ficar com inveja!

Mulei

Tô lendo um livrinho aqui que tá de rosca: O Signo dos Nove, do Ellery Queen.
Lembro que, quando comprei no sebo, logo li o primeiro capítulo (mania de fazer isso).
Achei sensacional... Algo em relação a incubação do óvulo no útero. Não tô com o livro aqui em mãos, senão postava. Quem sabe um dia...

Mas, o resto do livro... Que superficial! Eu que sou lerdão, li 80 páginas em uma hora e pouco!
E na orelha do livro, a maior propaganda, dizendo que este é um dos melhores livros deste senhor Ellery Queen. Foi o próprio, aliás, que fez eu comprar o livro... Tinha ouvido seu nome em não sei que lugar, achei, gostei do título, tava afim de ler um policial...

Empaquei no último capítulo. É o maior do livro, a explicação de tudo ter acontecido como aconteceu.
Vamos ver se termino. Tá sem graça, mas vamos até o fim!

quarta-feira, junho 01, 2005

Variação do tema

Madre, ontem, um pouco decepcionada:

- Olha, filho... Quando mais eu conheço as pessoas, mais eu gosto da Brenda.

Brenda é a cadelinha lá de casa.
Se ela entendesse, aceitaria como um elogio (nós cães somos superiores à escória humana, a própria escória admite isso!) ou como uma crítica (a escória humana joga seus desafetos a um nível inferior ao nosso, humilhando-os e humilhando-nos!)?

Oh deuses das dúvidas babacas, respondam!

terça-feira, maio 31, 2005

O mundo não é mais o mesmo

Afinal, estou dirigindo rasoavelmente bem!

quinta-feira, maio 19, 2005

O Retorno do Jedi...

Sim!

Eita Peste! está de volta, após uma semana de provas, Av. Paulista, Cambuci e tudo o mais.

Em breve, estréia: Notas Paulistas.
Aqui neste mesmo Batcanal, para competirmos com o Episódio III e as trincheiras dos Sith.

sexta-feira, maio 06, 2005

Lost in Translation

Este é o verdadeiro ritmo do amor.

domingo, maio 01, 2005

Macanudo

Quadrinhos de qualidade
Texto e arte fabulosos... Em:

http://www.fotolog.net/liniers_macanudo

"Se va el misterioso hombre de negro".

11 anos

Pã pã pã! Pã pã pã!

(Será que o Ayrton Senna torce pelo Rubinho lá de cima?)

Como é?

Meu povo...

É Abemus Papa ou é Habemus Papa?

Porque num post aí embaixo escrevi sem H, mas na capa da Caras tá com.
Achei no Google sem.
Alguém sabe latim por aí?

sexta-feira, abril 29, 2005

Ébano

Dark side of the moon + Dark side of the force + Zé Pequeno = Eita Peste!

quinta-feira, abril 28, 2005

Caramba!

Precisava ter escrito tanto?

Brasil x Guatemala (ou X-tudo)

Chega! Parei de ver...
Que tipo de jogo é este?
Numa só tacada: comemoração dos 40 anos da Rede Globo; despedida (outra) do Romário na Seleção; e a "nova" câmera "aérea".

O mais legal é o Arnaldo entregando tudo.
Galvão: "E se a bola bater na câmera?"
Arnaldo: "Bola ao chão. Como foi feito na Copa de 94, em Detroit!"
Ué... Que raio de nova tecnologia é essa que tem mais de dez anos?

Ah sim, claro... Nova no Brasil. Verdade.
O diretor de imagens estava fissurado; criança quando ganha um video-game: trasmitiu metade do jogo a partir dela! Poder é pra se mostrar, não é não, Rede Globo? Numa hora dessas, a informação visual já ia pelas cucuias!

E o Galvão ficava: "Vamô lá? Vamô viajar junto com a bola?" Umas seiscentas vezes. Mais repetitivo que o Silvio Santos. Quase estendi o cartaz do "Eu já sabia"! Eu sei que a câmera "voa" em cima da bola, não precisa mais explicar (pelamordedeus)!
Convenhamos, que coisa de bêbado! Eu aqui em casa cantava: "Entrei de gaiato no navio, Ô!"
E o Galvão: "Não estranha não. O campo tá torto mas é assim mesmo!"
Que beleza! É o futebol visto de um convés!

Tava torcendo pra alguém dar uma bolada naquela câmera... Pouquinho de maldade não faz mal a ninguém.
Uma hora, quase!, quase acertaram! Preju pra Globo no próprio aniversário. Que belo presente de grego! Já pensou se a bica viesse do Romário? Hehehe! Perfeito!

Aliás, e ele... Entrou chorando e saiu empinado! Peixe!
Romário = Oscar Smith? Será? Avisa antes pra eu me programar e não assistir mais nenhuma despedida!

Arnaldo: "Toda festa boa tem que ter um chato. Só espero que não seja o árbitro!"
O árbitro não, meu caro. É só pedir pro cara aí do lado gritar Rrrrrronaldinho! e você descobre quem é.

E o Robinho, o Magrão e o Marcos saem no primeiro tempo... Era melhor eu desligar a TV mesmo!

terça-feira, abril 26, 2005

Bento XVI

Foi ou não foi uma decepção surgir o Ratzinger depois do Abemus Papa?
Sei lá se ele é bom ou ruim, se é super, mega, ultra conservador ou nada disso.
Só que era o favorito, né? Sempre é chato quando o favorito ganha.

E a imprensa ainda ficava botando esperanças nos fiéis do terceiro mundo: de que o papa poderia ser um argentino, um nigeriano, um brasileiro! Blá blá blá!!!

Outra coisa que não entendi. Benedictus = Bento? Não teria de ser Benedito?

Hehehe... Agora para rir. Onde eu fiquei sabendo que o papa já havia sido escolhido?
No Tarde Quente, do João Kléber! Hahahahaha!
Se for depender de mim, o novo papa já começou mal.

domingo, abril 24, 2005

Vortemos!

Ae, povo meu...
Quase, hein, quase! Mas o Eita Peste! não morreu não.
Não poderia, afinal:

"Desde Mallarmé, a obsessão pelo fazer literário (e/ou artístico, e/ou humano) se manifesta pelo desejo de preencher o espaço em branco da folha de papel. Manchar a folha com o falo da caneta, com o sêmen da tinta negra, maculá-la pelo estupro. Assassinar sua pureza equivale a fazê-la significar duas vezes. A torná-la significante de outra e inarredável forma, tão enigmática quanto a forma original. Não teria sido melhor deixar a folha em branco significado do inconspurcado, como no mito da Virgem Maria? Se a escrita é necessária, não teria sido melhor escrever como Deus escreve as estrelas no céu? O branco sobre o negro? A luz sobre as trevas?"

Silviano Santiago

Hehehe!

quinta-feira, março 31, 2005

Sonic freando

sssssssssssssss
ssssssssssss
sssssssss
ssssss
sss
s,

the hedgehog.

sexta-feira, março 25, 2005

Jornalista 2...

"Porque, entre tantos paradoxos de nossos tempos, um deles é de que a pós- modernidade até aceita uma luta pela ética, desde que colocado em termos morais e pessoais não político-ideológicos".

Bernardo Kucinski
Em:

Jornalista...

Dê uma olhada no artigo desta moça:
http://www.adtevento.com.br/intercom/resumos/R0607-1.pdf

domingo, março 20, 2005

Mas,

Afinal, meu caro, o que você estava fazendo no alto do é difícil Chamonix, Martinópolis - SP, na manhãzinha de um domingo?
Pouco importa.
Importa que eu li metade da Elecktra Assassina.

Mesmo assim, não tive receio algum em tomar um copo de leite quando cheguei em casa.
Bom sinal. Ficcão é ficção, realidade é realidade, na minha cabeça.
Se bem que quando eu assisti Matrix no cinema...

Ócio criativo

Calculei lá de cima do prédio que, àquela altura onde eu estava, a linha do horizonte fica a, aproximadamente, 35 quilômetros!

Domingo...

Hoje, vi o sol nascer do alto de um edifício.
Acho que será a última (e única) vez que farei isso.
Acordar às seis da manhã, num domingo!

Ah! Será que de tarde eu vou andar de avião?
Talvez...
Ver, agora, o pôr-do-sol dá de cima.

sábado, março 12, 2005

Sono

Era tanto o sono que ela tinha, que não conseguia parar em pé.
Onde encostava, dormia. E, se dormia, ninguém conseguia acordá-la.
Então, um dia, deixaram-na dormir. Todos saíram.
Um, dois, três anos se passaram... Quatro, cinco, seis e sete... Ela se virava, puxava as cobertas, mas não acordada: dormia, dormia e dormia!
Foram 11 anos consecutivos. Quando abriu os olhos, não viu ninguém, nem mais nada. A vista estava desacostumada.
Se era assim, o que fazer? Bocejou, disse: "só mais cinco minutinhos", e até hoje, quando o mundo acaba, dorme, dorme e dorme - sem querer mais nada.

sexta-feira, março 11, 2005

Os trailers da vida

Pra quem gosta de baixar, deixar guardadinho nos Meus Documentos, e olhar de vez em quando (de vez em quando?) recomendo:

Sin City
Tem dois. Baixe qualquer um deles. Ou melhor, baixe os dois.
Na verdade, o segundo tem mais imagens, mais personagens, mais variação de músicas, de sequências, etc. Resumindo, é mais completo.
O primeiro, porém, termina com uma frase destruidora... Canastrice pouca é bobagem!

Batman Begins
Não tava botando muita fé neste filme. O Batman, de novo, de armadura me deixou desconfiado... Mas o trailer (principalmente o segundo) mudou alguns dos meus conceitos. A sequência do Batman "voando" sobre os prédios é muito legal. Tomara que no filme não fique a la Homem-Aranha. No trailer não ficou.
Mas eu ainda tô com medo do Batman ser, de novo, travado que nem o Robocop.

quarta-feira, março 09, 2005

Alguém aí?

Fico encanado...
Até hoje, já foram cinco meses de blog.
Recebi, ao todo, dois comentários... Dois comentários de amigos meus.
Será que mais alguém lê esse Eita Peste?
Será que eu devo ficar encucado com o fato de alguém ler isso aqui?
Quem escreve precisa de quem lê para se satisfazer?

... (silêncio)

domingo, março 06, 2005

Belezas exóticas

Falei da Cicarelli e me lembrei...
No Shopping Catuaí, em Londrina... Vi, de relance, uma guria, linda...
Mais linda porque era cega de um olho.

(olho cego, lá vem eu de novo com esse assunto!)

Daniela Cicarelli

Vi hoje, no Pânico na TV, ela calçando as Sandálias da Humildade.
Beleza, nada demais...

O legal foi depois, os caras mostrando que ela tem seis dedos no pé direito!
Cicarelli, exótica de cabo a rabo, da boca aos pés!

Outros petárdos (adoro esta palavra):
- Um sósia do Ronaldinho conseguindo entrar, na maior facilidade, na MTV.
- O Marco Bianchi (assim que se escreve?) sendo entrevistado pelos dois retardados: "Faz uma pergunta pra Cicarelli, Marco". Ele: "Por cima, quando pesa o Ronaldinho?" Hehehe!
- A molecada fazendo montinho na barraca dos retardados.
- O Silvio, perguntando para um mariati contratado: "Você é mexicano?". "Si". "Então mexe no meu cano aqui!"

Piadas infames... Quem não gosta? ;)

Palmeiras 3 x 1 Santos

Pois é...
Milagres realmente acontecem!

E as TV deixaram, de novo, de transmitir um clássico.
Hoje tava passando o jogo do São Paulo.
Globo e Record não gostam de porco... Sei lá o que é!

Mais sobre esporte (tô parecendo TV domingo de noite!):
Rrrrrubinho! Segundo colocado!
Será que vai?...

E o Shumacher... Lá atrás, não agüentou o cara ultrapassando e jogou o carro em cima!
Belo heptacampeão do mundo.

Cena engraçada: só esta semana fui ver o jogador do Marília que marcou o gol e foi lá dar um abraço no guardinha! Hahahahaha! Foi uma das melhores da semana.

?

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA
AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA
AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA
AAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHHHHHHH
HHHHHHHHHHHHHHHHHHHH!!!!!!!!!!!!!!

Vontade de gritar.
Só isso.
Boa noite.

quarta-feira, março 02, 2005

^..^

Devo estar lendo muito Demolidor...
É muito personagem cego pra uma só revista!

Furo no olho

Porque o olho é supersensível, é impossível furá-lo.
Quem fura o olho não o fura, na verdade.
Na verdade, arromba-o. Tira-lhe a função.
Um furo no olho faz com que o olho não seja mais olho, pois não tem mais vista.
E é a vista quem lhe dá poder.
Ou não?
Um cego tem olho. E, óbvio, não consegue ver. O que é o olho dum cego, o que é um olho sem vista?
É algo onde só resta o choro, resta somente a lágrima. Esta é a real função do olho. Este é o seu real poder.

segunda-feira, fevereiro 28, 2005

Dúvida...

Hoje, dia 28 de fevereiro, me bateu uma dúvida...
Quem nasce no dia 29, comemora o aniversário no dia 28, ou no dia 1º - quando o ano não é bissexto?

Façam suas apostas. Eu aposto no dia primeiro.

Oscar

Deu zebra, né?
E o DiCaprio ficou mais uma vez chupando o dedo!

Clint Eastwood... Segundo ano seguido indicado ao Oscar. Dessa vez foi.
Para quem gosta de quadrinhos, ele ficaria perfeito em dois personagens: Hartigan, de Sin City - O Assassino Amarelo; e o Batman, no Cavaleiro das Trevas.

Ainda não vi o Menina de Ouro. Quando vir (é vir mesmo que escreve, né?), posto aqui.

quinta-feira, fevereiro 24, 2005

Poema para o Merdão

de Carlos Henrique Sanches

Quando eu sento na privada,
Me bate uma tristeza profunda.
A merda bate na água,
E a água bate na bunda.

Obs.: Merdão, vulgo Lucas Lourenço. Carlos, vulgo Carlão - amigão véio! Homenagem dos velhos tempos de colegial, quando ele só zoava da minha cara!

Barcelona 2 x 1 Chelsea

E o Barsa virou o jogo? Tenho que ver os esportivos amanhã... Só assisti ao primeiro tempo.
Gol contra do Belletti... Joga muito!

(justiça seja feita, ia ser gol, mesmo se ele não cortasse).

segunda-feira, fevereiro 21, 2005

São Paulo 3 x 0 Palmeiras

Que lavada, hein, amigo palmeirense. Ainda bem que eu não assisti nem ouvi o jogo.
Nem Globo, nem Record transmitiram... Gostaria de saber por quê? Santos e Corinthians passou, por que São Paulo e Palmeiras não?

O Palmeiras é o pior dos "grandes" no Paulista. Décimo colocado, dez pontos... Doze atrás do São Paulo!
Imagina o que vai acontecer com a gente na Libertadores!

Obs: soube hoje, por meio duma reportagem no Estadão, que o clássico Palmeiras e São Paulo é conhecido como Choque Rei. Prazer, Lucas. Se fosse na década de 90, até que vai... Mas, hoje? As principais figuras de ambos os times são os goleiros!
Tá certo, tá certo... O São Paulo tem o Cicinho, o Júnior (ex-Palmeiras). Porém, quando se fala de qualquer um dos dois times, quem vem primeiro à cabeça são o Rogério Ceni e o Marcos (que nem jogou, de novo). Eita peste!

Ê, Candinho... Que bucha, hein, meu velho! De consolo, deixo para ti uma frase da coluna do Ugo Giorgetti deste domingo: "No Brasil, o treinador assume os erros dos cartolas e leva a culpa pelos fracassos".

domingo, fevereiro 20, 2005

Recomendo 2

Não sei quem dos meus amigos (ou dos amigos dos meus amigos) tinha a comunidade do Damien Rice no Orkut. Nunca tinha ouvido falar do cara.
Mas - desculpem o trocadilho - eu já tinha ouvido o cara. The Blower's Daughter... Tá no Closer.
Canção sensacional! Perfeita para a Alice, personagem da Natalia Portman no filme (vulgo Princesa Amdala).

Obs: Rice não é arroz, em inglês? Influência do Gohan, do Dragon Ball?

"Hello, stranger"

Closer (Perto Demais). Vocês já viram?
Quem não viu, vá e me conte depois...

"And so it is..."

Quero ver o Million Dollar Baby (Menina de Ouro), O Aviador, Bob Esponja, o filme - dos recentes.
Das antigas, hehehe, Conan (o dois também), Comando para Matar e Predador (o primeiro)...
Governador do Futuro na veia!

Sobre o Closer, leiam: http://www.omelete.com.br/cinema/artigos/base_para_artigos.asp?artigo=2425

sexta-feira, fevereiro 11, 2005

Desejo do blogueiro

Queria achar um blog genial.
Um que usasse todas as possibilidades do meio de maneira particular.
Nada de diário, de rascunho, de colagem...
Tem algo mais escondido aqui.

Estou pesquisando por aí, mas todos são parecidos com o meu.

Crítica: como tem gente que adora postar música!!!

Palmeiras 2 x 0 Tacuary

Palmeiras sem Marcos já é complicado.
Palmeiras com o Magrão jogando como está, andando pra lá e pra cá no meio de campo, é mais complicado ainda.
Palmeiras com Claudecir tomando amarelo após uma falta imbecil e vermelho depois de outra mais imbecil ainda - é o fim da picada...
Ainda bem que veio um e salvou a porcada: Ricardinho.

Joguinho feio. Valeu pelos quatro minutos iniciais (primeiro gol) e pelos quatro finais (segundo gol). Ambos dele, Ricardinho, que até chorou depois de marcar o último.
Também... Palestra Itália lotado, torcida dando um espetáculo, não parando de cantar um minuto! Ser herói disso tudo não é pouco não.
Valeu Palmeiras! Como diz lá o Macaco Simão: nóis sofre mais nóis goza!

Se cuida, São Paulo! Se cuida, Santos! Se cuida, Atlético!
Porque é "festa no chiqueiro"!

domingo, janeiro 23, 2005

Pichação

"Boris Casoy: racista!"
Não lembro se vinha com exclamação ou não, mas aqui vai pra ficar impactante.
Foi exatamente o que li pichado num muro perdido em Franca, a cidade do sapato. Estive por lá semanas atrás, para a formatura de um amigo meu. Estávamos eu e ele no carro, quando li, num tom de interrogação:
- Boris Casoy: racista?
- É cara - hehehe! -, sempre achei bizarra esta pichação.
- Putz... Que mágoa!
Só podia ser mágoa. O que leva um cidadão a pichar aquilo no centro duma cidade de médio porte do interior de São Paulo? Se fosse no muro da Record, se fosse no muro da casa do Boris, no muro da casa da mãe dele, sei lá... Até que vai! Mas, em Franca? Em Franca?! Será que ele nasceu por lá e eu não tô sabendo? Será que lá ele tem parentes?
Se não for nada disso, te cuida, Boris Casoy, pois em Franca você tem um inimigo cheio de rancor.

quarta-feira, janeiro 12, 2005

Em busca do emprego escondido!

Tá alí, na direito, logo abaixo do meu nome: "futuro desempregado". Preciso corrigir, pois já sou um desempregado!
Fase difícil. A gente fica perdido. As pessoas perguntam o que você vai fazer e você responde: "Não sei". Péssima resposta, mas não há outra. Estou correndo atrás, estou correndo atrás, mas ainda nada.
Portanto, nobre empregador do setor jornalístico que por um grande acaso está a viajar por esta página (hehehe, delirar é sempre bom): me dê um emprego!
Obrigado. É só.