terça-feira, outubro 18, 2011

Miniaturas na MobiComics!

Pessoal,

Minha HQ Miniaturas acaba de ser publicada pela MobiComics!



Para quem não conhece, a MobiComics é uma loja brasileira de quadrinhos digitais para iPhone, iPad e iPod Touch. O pessoal já publicou histórias de feras das HQs nacionais, como Júlio Shimamoto e Wellington Srbek e tem parceria com a Editora Nemo. Confira mais aqui.

A ideia já é boa por si só. Melhor ainda porque a MobiComics disponibiliza espaço para autores independentes. Se quiser tentar, é só mandar sua história para eles e aguardar a possível aprovação. Foi o que fiz – e deu certo!

Àqueles que são usuários Apple e se interessam por quadrinhos, peço que baixem o aplicativo da MobiComics na Apple Store e vasculhem as histórias. Muitas são gratuitas.

A minha (e outras) saem por US$ 0,99. Há um preview com algumas páginas para quem quiser conferir um pouco de Miniaturas. Algumas delas já foram publicadas neste blog e, por contrato, serão deletadas. Uma amostra do que é o trabalho segue abaixo.




São histórias curtas, diretas, com traço mínimo. Como escrevi na apresentação, “quadrinhos despretensiosos sobre nascimento, morte e tudo aquilo entre um e outra!”

Seja bem-vindo, obrigado pelo prestígio e boa leitura!

sexta-feira, outubro 07, 2011

The New 52


Todo mundo já está sabendo que a DC resetou suas histórias e relançou 52 revistas, as já famosas The New 52. Uns gostaram da ideia, outros detestaram. Para mim, SÓ de tirarem a sunga do Superman de cima das calças já é um gigantesco progresso! Mesmo assim, fui querer saber qual era a da editora com a iniciativa e li o primeiro número de todas as novas séries. Eis uma análise rápida das que mais gostei. Lembrando que não sou nenhum fanboy, por isso, cronologia ultradetalhada e picuinhas de cada personagem passam longe aqui. COM SPOILERS!


Justice League
Carro-chefe da reformulação e primeira das Novas 52 a ser lançada. Leitura rápida, privilegiando o talento de Jim Lee para as cenas de ação. Basicamente, a trama narra o primeiro encontro dos personagens que formarão a Liga da Justiça. O impacto de ver os personagens com novos uniformes e propostas é bastante explorado. História apenas começando e interessante de acompanhar.


Action Comics
Grant Morrison “viaja na maionese” na maioria de suas histórias (tanto para o bem, quanto para o mal), mas nesta aqui ele concentra-se basicamente na aventura – honrando o nome da revista. É o Super usando calça jeans pula-brejo, em começo de carreira, com senso de justiça mega aflorado e métodos nada ortodoxos. Uma das melhores do pacote de lançamentos da DC.


Animal Man
Personagem bizarro, mais história bizarra, mais desenhos bizarros só podem dar em quê? Bela HQ! Estilo Vertigo, com diagramação de página muito muito bacana do Travel Foreman, que transforma em requadro as linhas mais inimagináveis. Gancho de trama muito bom. Última página bizonhamente bela.


Swamp Thing
Outra HQ com cara de Vertigo e outra entre os melhores relançamentos da DC. Assim como Animal Man, uma bela mistura de fantasia e terror. A página dupla em que pássaros, morcegos e peixes aparecem mortos é sensacional. Destaque também para os ótimos recordatórios de Alec Holland analisando a violência extrema no aparente tranquilo mundo das plantas.


Batman and Robin
Bela levada para uma revista do Morcegão, geralmente transformado em um chato de galochas na mão de roteiristas que só sabem trabalhar o lado depressivo e problemático do personagem. No roteiro, Peter J. Tomasi deixa explícito que não quer esta clima. Destaque para o novo Robin, Damien Wayne, “marrento” até não poder mais. Ótimos desenhos de Patrick Gleason.


Aquaman
Geoff Johns disse em entrevistas que quer trabalhar o lado chato de Aquaman – ou pelo menos a impressão de que o público tem do personagem, por muito tempo um dos mais subutilizados do panteão da DC. Isto fica explícito nesta primeira edição, a ponto de ser declarado por um dos coadjuvantes da trama. A coragem do roteirista faz com que a HQ valha a pena ser acompanhada.


Wonder Woman
Trama cheia de mistério e suspense, com participação de deuses do Olimpo, Diana semi-nua logo nas cenas iniciais, desenhos excelentes Cliff Chiang, cenas de ação muito bem boladas e várias pontas soltas que cativam o leitor para a edição número dois da revista. Um dos melhores lançamentos do reboot.


All-Star Western
Uma das boas supresas do reboot (pelo menos para mim). O mote da trama já é interessante por si só: o maluco Jonah Hex forma uma inusitada dupla com ninguém menos que Dr. Amadeus Arkham para investigar um serial killer de modus operandi muito parecido ao de Jack, o Estripador – tudo isso em uma Gotham City do século 19. Roteiro detetivesco bastante competente de Justin Gray e Jimmy Palmiotti e bons desenhos de Moritat. 


Batgirl
Barbara Gordon volta a andar e a vestir o manto da Batgirl. Como isto foi possível, o primeiro número ainda não explicou. O roteiro de Gail Simone é bastante interessante e foca nas dificuldades e erros (graves) da heroína, logo de cara envolvida com um assassino acima de suas recém-recuperadas habilidades.


Batwoman
A trama tem uma mistura cativante e lida com supostos fantasmas assolando uma família de latinos. Há também um pouco de drama familiar na vida da heroína - sem, contudo, descambar para a chatice. Destaque absoluto para as páginas (tanto traço quanto diagramação) de J. H. Willians III, um dos mestres desenhistas do nosso tempo.


Justice League Dark
HQ com os personagens místicos da DC, o que por si só já é bastante bacana. O roteiro de Peter Milligan explora cada um na medida certa, deixando de lado o eterno blá blá blá típico de muitos escritores viciados em transformar superequipes em um bando de problemáticos chatos que não se entendem. Passagens muito bacanas, todas com o traço muito bonito de Mikel Janin.


OMAC
Trata-se da HQ mais descompromissada do reboot. A única intenção de Dan Didio e Keith Giffen é prestar homenagem ao velho Jack Kirby, criador do personagem. Roteiro e desenhos emulam muito bem o estilo do mestre. É ler para esquecer do dia a dia, nem que seja por 15 minutos. 


Green Lantern Corps
Concordo com o Érico Assis, que escreveu no Omelete que o Peter J. Tomasi parece ser o roteirista mais esforçado do reboot. A história tem um ritmo muito bacana, boas sacadas e foca as ações de John Stewart e Guy Gardner como o 2º e 3º Lanternas Verdes da Terra. Antes do reboot, com roteiros do próprio Tomasi, a revista muitas vezes não tinha a mesma força.


Menções honrosas
I, Vampire
Detective Comics
Batman
Batman: The Dark Knight
Catwoman
Batwing
The Flash
Ressurection Man
Suicide Squad
Supergirl
Superman
Voodoo


Lixo absoluto
Hawk and Dove
Esta até merece comentário. Chega a ser ofensivo uma editora que se propõe a relançar todo seu universo de personagens soltar uma HQ dessas no mercado. Ruim demais! Personagens sem carisma, roteiro sem sal - e tudo rabiscado pelo desenhista que todos amam odiar: Rob Liefeld!