domingo, julho 29, 2007

Cabô

Último dia de Pan. A partir de amanhã, a TV volta a ficar muito mais chata!

sexta-feira, julho 06, 2007

Ditado do Manuelzão

Não sou boi, sou boiadeiro.

Ditado do goleiro mal posicionado

Certos lugares nos deixam tristes.

quarta-feira, julho 04, 2007

Outro do cadernim

Ontem, sem muito o que fazer e tomado de egocentrismo, fiz um poeminha sobre um desenho meu!

O rabisco tá aqui: http://lucaslourenco.blogspot.com/2007/07/sonhos-so-bizarros.html . E o Ministério da Loucura adverte: o poema PERDE toda a graça se você CONHECER o desenho. Isto porque o primeiro não passa de uma descrição do segundo. Lado a lado, caem ambos em redundância. Eis a belezura:

Sonhos são bizarros:
tua boca assustada,
meu sorriso de escarninho
e tudo preto em volta.

terça-feira, julho 03, 2007

No meu tempo...

No meu tempo, apesar da Xuxa, D era de Dunha!!!

Xuxexo!

Uma coisa me surpreende.

Sabe aquela canção da Xuxa... "A de amor, B de baixinho, C de coração..." (não sei o nome dela)?
Pois ela é muito boa!!!

Digo isso porque, não sei quantos anos depois de ter sido lançada, eu ainda a sei de cor. Talvez, durante a infância, alguma área de meu subconsciente tenha armazenado a letra para sempre, pensei. Mas, não é só isso.

Pedrão tem três anos, é meu primim e também sabe ela de cor! Não foi eu quem lhe ensinou. Teve ter sido minha mãe, ou a mãe dele, ou a vó - que, também também, decoraram a letra!!! Além disso, pra ele, o B não é mais de Bola, nem o N de Navio - muito menos o X é de xícara. E o impressionante: apesar de ela ainda estar na TV todas as manhãs, a Xuxa não é mais pra ele o que foi para minha geração. A música ganhou vida própria - o que acontece só com as boas. Fora que ela é, por que não, educativa.

É como "Atirei o pau no gato", "Ciranda Cirandinha", "Boi da Cara Preta", entre outros hits da criançada. Como essas coisas grudam na cabeça e não saem mais? É diferente das musiquinhas da rádio, que impregnam por um mês.

Outra galera que invadiu o subconsciente brasileiro são os Mamonas Assasinas. Tirando uma ou duas daquele CD, sei todas! Garanto que não só eu.