quinta-feira, julho 27, 2006

Colagem

Picasso amou sete mulheres ao longo da vida. Óbvio: sete são os pecados capitais - e também as cores do arco-íris.

quarta-feira, julho 26, 2006

Alívio

Geralmente, a vida é entediante. E isso não é ruim. Aventura demais é coisa do Rambo: na hora é legal, mas deixa seqüelas. É bom quando tudo segue em frente, em linha reta. Paradoxalmente, isso que é o tédio supremo, quase nunca acontece. Tocamos as coisas aos trancos e barrancos, do jeito que dá - e dói. "Para ser grande, sê inteiro". Entretanto, tudo não passa de um gigantesco rascunho. De lado os planos, de lado as metas. De lado os sonhos, as meditações, os esquemas perfeitos. É no esboço que se ganha a vida!

sexta-feira, julho 21, 2006

Minnie

Dois dias atrás, a veterinária apanhou Minnie na casa de meus avós e levou-a para o sacrifício. Há quatro dias a cadelinha vira-lata não comia. Estava cega, surda, arrastando as patas de trás e com um imenso tumor no lado direito do abdôme.

Minnie contava 17 anos de vida. 17 anos! Nasceu em julho de 1989, ano de Collor no poder e do Bateau Mouche debaixo d´água. Viveu a pasmaceira dos anos 90, o grunge, o tetra, o vice na França, o Lula perdendo - duas vezes. Chegou ao século 21 firme e forte. Passou pelas torres gêmeas, pelo Osama, Sadam, George W. Bush, o penta, o Lula vencendo, a tsunami no oriente, Iraque, Afeganistão, PCC, Fernandinho Beira-Mar - sem contar a quarta-de-final mais medíocre da história das Copas e a cabeçada irrepreensível do Zidane. Há um ano, começaram os problemas. De lá pra cá, ladeira abaixo. Coitada.

Na verdade, né, a cachorrinha não viu nada disso. O que fez da vida foi comer, dormir, latir - e repetir e repetir tal ciclo infinitamente, sem remorso algum. Uma vida completamente besta, aparentemente; mas, eu não acho não.

Não que eu queira da vida somente dormir, comer e latir... Contudo, eu seria um cara melhor, seríamos todos homens melhores se movêssemos só quando necessário. O resto, a quietude preencheria.

Quanto à Minnie, era uma cadelinha brava e companheira. Deve estar no céu dos caninos, num castelo feito de osso, mordendo o rabo do gato mais próximo - exatamente como vi num desenho do Pluto, ontem.

segunda-feira, julho 10, 2006

Dejecção

Cara, foi minúcia demais ou espontaneidade em excesso, ou talvez somente eu implicando com a sinceridade alheia. E que sinceridade!

Hoje, tava no ponto voltando do trampo um tanto ansioso, pois o busão não passava e meus pés estavam molhados e coçando por causa da chuva que tomei de manhã e do frio do dia todo que não fez nada secar.
Em meio a tudo isso, passa um ônibus. Era o terceiro Pinheiros que vinha - e nada do Vila Mariana. Um senhor de bigodes que estava do meu lado soltou um "não é possível!" e me olhou na cara. Olhei na cara dele e disse "pois é, faz 20 minutos que tô aqui e nada..."

Homem das ciências, explanador, bateu-lhe a vontade de justificar os motivos e, assim ele fechou nossa conversa com chave de ouro: "eu já tinha vindo pro ponto. Mas, me deu uma diarréia, uma dor de barriga que eu tive que voltar pra empresa. Deve ter passado nesse tempinho que fiquei por lá!"

Culpa da maionese, só pode.

Grand finale

Zidane deu uma de bode e a Copa do Mundo terminou em pizza!

Viva a Azzurra!

quarta-feira, julho 05, 2006

Viva Portugal!

E não é que eu fui liberado do trampo para assistir ao jogo!!!

Esse Felipão tem mais poderes do que eu imaginava.

terça-feira, julho 04, 2006

A Copa ainda não acabou

Rapaz, fui me tocar hoje que só sobraram na Copa os povos que formam meu sangue! Alemanha, Itália, França e Portugal. Sendo assim, qualquer um que vença, 1/4 de mim vence junto também. Hehe!

Mas, vou torcer pra Portugal. Afinal, Felipão é o cara e a terrinha tem a raça que eu queria na Seleção, ora pois.

domingo, julho 02, 2006

C´est la vie

O sino badalou seis horas e a noite caiu triste.
Perder faz parte, mas, perder daquele jeito?
Tem gente que ficou indignada, outros decepcionados. Em mim, bateu o desânimo. Copa do Mundo introjeta-se no povo brasileiro. Ficamos órfãos em plena gravidez.
Contudo, a vida continua e futebol não paga as contas. Não as minhas, pelo menos.
Parabéns ao Lúcio, Juan e Zé Roberto.

Que agora o Felipão cuide dos franceses!

sábado, julho 01, 2006

Brasil x França

Finalmente! Aleluia! Antes tarde do que nunca!

O Parreira ouviu a voz do povo, tirou o Adriano e colocou o Juninho Pernambucano!
Aliás, este, o único a responder a tontice que disse o Henry. Tomara que ele cale a boca do francês também em campo.

Agora, teoricamente, o Gaúcho vai jogar lá na frente, como faz no Barcelona. E eu quero parar de ouvir neguinho na rua gritar: "também, ele não tá jogando na posição que gosta!"
Se vira, rapá! Tu não nasceu quadrado!